Fármaco utilizado no tratamento da leucemia mostra-se eficaz contra vários cancros

Estudo publicado na revista “Nature”

16 junho 2014
  |  Partilhar:

Uma classe de fármacos utilizada atualmente no tratamento da leucemia também demonstrou ser capaz de aumentar a resposta do sistema imune contra diferentes tipos de cancro, dá conta um estudo publicado na revista “Nature”.
 

Em ensaios clínicos recentes, os fármacos denominados por inibidores p110δ têm demonstrado ter uma eficácia tão elevada contra determinadas leucemias que os pacientes inicialmente incluídos no grupo de placebo têm sido submetidos também ao tratamento. Contudo, até à data, esta classe de fármacos ainda não tinha sido testada noutros tipos de cancro.
 

Neste estudo, os investigadores da Universidade de College London e do Instituto de Babraham, no Reino Unido, demonstraram agora que os inibidores da enzima p110δ poderiam ajudar a desencadear uma resposta imune eficaz contra vários tipos de cancro.
 

O estudo apurou que a inibição da p110δ em ratinhos aumenta significativamente a taxa de sobrevivência associada a vários tipos de cancro, incluindo tanto os cancros sólidos como os cancros hematológicos. Os investigadores verificaram que, comparativamente com os ratinhos em que esta enzima estava ativa, os que a tinham inativa apresentavam uma taxa de sobrevivência ao cancro da mama quase duas vezes maior. Os cancros também se disseminaram menos, e os tumores que se desenvolveram foram mais pequenos e em menor quantidade. Após remoção cirúrgica dos tumores do cancro da mama primário foi verificado que a sobrevivência também aumentou.
 

Os investigadores verificaram ainda que após a inibição da p110δ, o sistema imune era capaz de desenvolver uma resposta imune de memória eficaz para combater o cancro.
 

Os autores do estudo estavam à espera que a introdução de tumores em ratinhos deficientes para a p110δ conduzisse a um crescimento mais rápido, uma vez que a enzima é importante para o sistema imune. Contudo, foi verificado que alguns tumores começaram a diminuir. De facto foi verificado que a p110 δ era especialmente importante para os chamados linfócitos T reguladores. Estas são células imunes supressoras que os tumores se ligam para se proteger contra o ataque do sistema imune.
 

De acordo com os investigadores, os inibidores da p110δ são capazes de tornar o organismo imune ao cancro, através da inativação das células T reguladoras. “Estes fármacos podem assim ser utilizados contra cancros sólidos e do sangue, possivelmente em conjunto com vacinas, terapias celulares e outros tratamentos que promovam respostas imunes tumorais específicas”, conclui um dos autores do estudo, Klaus Okkenhaug.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.