Fármaco usado no cancro da mama pode ajudar a diminuir convulsões

Estudo publicado na “eLife”

30 maio 2016
  |  Partilhar:

Um fármaco usado no tratamento do cancro da mama poderá ajudar a suprimir de forma rápida e eficaz convulsões cerebrais graves, revela um estudo publicado na revista científica “eLife”.
 

O estado do mal epiléptico (EME), ou status epilepticus, é considerado uma emergência neurológica e ocorre devido à hiperexcitabilidade sincronizada de um conjunto alargado de neurónios durante um período prolongado de tempo. De acordo com os autores do estudo, a taxa de mortalidade global associada a esta condição ronda os 20% e os pacientes que sofrem deste problema de saúde apresentam uma maior probabilidade de sofrerem de convulsões não provocadas subsequentes. Como tal, os cientistas têm procurado formas de controlar esta doença.
 

O estudo agora publicado tem por base investigações anteriores que demonstram que o estrogénio aumenta a atividade neuronal através de uma série de mecanismos.
 

Catherine S. Wolley e Satoru M. Sato, da Universidade Northwestern, nos EUA, descobriram que as convulsões estimulavam a produção de estrogénio no cérebro e que a síntese desta hormona durante uma convulsão contribuía para a escalada da atividade convulsiva. Este achado sugeriu uma nova abordagem ao tratamento das convulsões em humanos: impedir a produção de estrogénio no início de uma convulsão. Atualmente os tratamentos baseiam-se na redução da atividade neural geral, o que provoca efeitos secundários, como a sonolência, tonturas ou dificuldade de concentração.
 

Neste estudo, os cientistas injetaram uma substância inerte ou um inibidor de aromatase – letrozol ou fadrozol –, logo após o início de uma convulsão induzida quimicamente em modelos animais. Os animais foram avaliados até seis horas após a indução da convulsão e verificaram, tanto através do comportamento dos mesmos como através de electroencefalograma ao hipocampo, que tanto o letrozol como o fadrozol suprimiam fortemente as convulsões em ambos os sexos.
 

“O efeito foi profundo e muito claro”, declarou Wolley, em declarações reproduzidas em comunicado da universidade. “Isto demonstra que fármacos clinicamente disponíveis podem representar terapêuticas eficazes na supressão de convulsões em humanos”, acrescentou.
 

O próximo passo será a realização de ensaios clínicos para determinar a eficácia e segurança dos inibidores de aromatase atualmente disponíveis em pacientes com EME.
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.