Falta de zinco associada a resposta do sistema imunitário

Estudo publicado na revista “Molecular Nutrition & Food Research”

25 março 2015
  |  Partilhar:
A deficiência de zinco no organismo poderá afetar a resposta do sistema imunitário do organismo, especialmente em adultos mais velhos, indica um novo estudo.
 
O estudo conduzido pela Universidade Estatal de Oregon, EUA, demonstrou que a falta de zinco pode estar implicada em doenças crónicas, como o cancro, doenças cardiovasculares e diabetes, as quais envolvem inflamação. Os mais idosos são quem está mais em risco de sofrer de deficiência deste importante mineral, motivo pelo qual desenvolvem com frequência esse tipo de doenças.
 
Neste contexto, uma equipa de investigadores propôs-se tentar perceber a relação entre a falta de zinco e a inflamação. Para o efeito, conduziram ensaios que indicaram que a deficiência de zinco promovia um aumento da resposta inflamatória das células. 
 
Os investigadores conseguiram demonstrar, pela primeira vez, que a redução do zinco causava uma ativação desapropriada das células imunes e a desregulação da citoquina IL-6, que é uma proteína que afeta a inflamação na célula.
 
A equipa de investigadores comparou também os níveis de zinco em ratos vivos, jovens e idosos. Os ratos idosos exibiam níveis de zinco reduzidos que correspondiam a um aumento na inflamação crónica e uma menor metilação da IL-6. A metilação é um mecanismo epigenético utilizado pelas células para controlar a expressão genética. Foi igualmente observado um decréscimo na metilação da IL-6 em células imunes de humanos idosos.
 
Emily Ho, docente na Faculdade de Saúde Pública e de Ciências Sociais da Universidade Estatal de Oregon e autora principal do estudo adiantou que “quando se retira o zinco, as células que controlam a inflamação parecem ativar-se e responder de forma diferente; isto faz com que as células promovam mais inflamação”.
 
O zinco é um micronutriente fundamental em muitos processos biológicos, como o crescimento, desenvolvimento, função imunitária e neurológica. Este mineral pode ser encontrado em alimentos ricos em proteína, como a carne e moluscos. 
 
É importante perceber a importância do zinco no organismo para se poder determinar se as guias de orientação relativas ao zinco necessitam de ajustamentos. Atualmente, recomenda-se um consumo diário de zinco de oito miligramas para as mulheres e 11 miligramas para os homens. Os idosos poderão necessitar de uma quantidade superior. É importante consumir-se este mineral de forma regular pois o mesmo não é armazenado no organismo e a sua presença em quantidades demasiado elevadas pode causar outros problemas.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.