Exposição ao ruído no local de trabalho duplica risco de doença cardíaca

Estudo publicado na revista “Occupational and Environmental Medicine”

12 outubro 2010
  |  Partilhar:

Trabalhar num local continuamente ruidoso duplica o risco de sofrer uma doença cardíaca grave, sugere um estudo publicado na edição online da revista “Occupational and Environmental Medicine”. O risco parece ser ainda maior nos jovens fumadores do sexo masculino.

 

Este estudo, realizado pela University of  British Columbia, no Canadá, teve por base dados de um estudo do National Health and Nutrition Examination Survey realizado nos EUA, entre 1999 e 2004. Ao todo participaram 6,3 mil trabalhadores com mais de 20 anos. A pesquisa envolveu entrevistas pormenorizadas a cada participante, para verificar os estilos de vida e saúde ocupacional, bem como a realização de exames médicos.

 

Os voluntários foram separados em dois grupos: os que foram expostos, durante três meses, a altos níveis de ruído no trabalho a ponto de lhes ser difícil falar normalmente e um grupo de controlo que não trabalhava naquelas condições. As pessoas que trabalhavam em locais com muito ruído apresentavam entre duas e três vezes mais probabilidades de sofrer um grave problema cardíaco, como angina, hipertensão e enfarte agudo do miocárdio, em comparação com os indivíduos que trabalhavam em ambientes silenciosos. Esta associação foi particularmente forte entre os trabalhadores com menos de 50 anos, que representavam mais de 4.500 do total de participantes. Este grupo apresentou um risco entre três e quatro vezes superior de terem um problema cardíaco grave.

 

Embora os exames de sangue dos homens fumadores não indicassem níveis particularmente altos de colesterol ou de proteínas inflamatórias (ambos factores associados a doenças cardíacas), a pressão arterial diastólica, que avalia a força exercida pelo sangue nas paredes das artérias quando o coração relaxa entre os batimentos cardíacos, foi maior do que o normal,  esta situação é conhecida por doença conhecida como hipertensão diastólica isolada. Trata-se de um marcador independente de problemas cardíacos graves.

 

Os resultados sugerem que as pessoas expostas regularmente ao ruído no local de trabalho tinham duas vezes mais probabilidades de ter hipertensão diastólica isolada.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.