Exercício físico tão eficaz quanto os fármacos?

Estudo publicado na revista “British Medical Journal”

04 outubro 2013
  |  Partilhar:

A prática de exercício físico pode ser tão eficaz quanto a toma de fármacos no tratamento de determinadas doenças, como a doença coronária e o acidente vascular cerebral (AVC), sugere um estudo publicado na revista “British Medical Journal”.
 

Há já muito tempo que se sabe que o exercício físico é benéfico para a saúde no geral. Contudo, poucos foram aqueles que compararam o seu efeito com o dos fármacos na redução do risco de doenças comuns.
 

Neste estudo, os investigadores da Escola de Medicina de Harvard e da Universidade de Stanford, nos EUA, decidiram comparar o efeito da atividade física versus a toma de fármaco na mortalidade de quatro condições. Estas incluíram a prevenção secundária da doença coronária, reabilitação de um AVC, tratamento de insuficiência cardíaca e prevenção da diabetes.
 

O estudo analisou os resultados de 305 ensaios clínicos controlados que envolveram a participação de 339.274 indivíduos. Foi verificado que não havia diferenças significativas entre a prática de exercício e as intervenções farmacológicas no que diz respeito à prevenção secundária da doença cardíaca e da prevenção da diabetes. A prevenção secundária refere-se ao tratamento da doença antes de esta causar danos significativos.
 

Entre os pacientes com AVC, o exercício foi mais eficaz que o tratamento com fármacos. Por outro lado, no caso da insuficiência cardíaca, os diuréticos foram mais eficazes que o exercício e que os outros tipos de medicamentos.
 

Os investigadores chamam à atenção para o facto de a quantidade de dados sobre o benefício do exercício ser consideravelmente menor que a dos fármacos, o que pode ter um impacto nos resultados. Apesar desta falta de evidência científica, os autores referem que, com base nestes resultados agora publicados, a atividade física é potencialmente tão eficaz quanto muitas das intervenções farmacológicas.
 

Embora seja tentador acreditar que a toma de um único comprimido vai curar todos os males, as mudanças simples de estilo de vida, já provaram ser eficazes no tratamento da artrite, depressão e pressão arterial elevada.
 

"Acho que provavelmente haverá uma mudança de cultura nos próximos anos, na medida em que as intervenções que envolvem o exercício estão a ganhar cada vez mais interesse. Caso ocorra essa mudança, os pacientes e os médicos podem exigir mais evidências sobre os benefícios do exercício comparativamente com a toma de fármacos”, conclui um dos autores do estudo, Huseyin Naci.
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Classificações: 1 Média: 5
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.