Exercício físico nem sempre é benéfico

Estudo publicado na revista “PLoS ONE”

04 junho 2012
  |  Partilhar:

A prática de exercício físico pode, para alguns indivíduos, ser prejudicial, sugere um estudo publicado na revista “PLoS ONE”.

 

As diretrizes de saúde pública aconselham os adultos a praticar, por semana, cerca de 150 minutos de atividade física moderada ou 75 minutos de atividade física intensa. Contudo, está bem estabelecido que as pessoas respondem de forma diferente à prática de exercício em termos do risco cardiorrespiratório, cardiometabólico e diabetes.

 

Porém o que ainda não se sabe qual é o efeito que a prática de exercício físico regular poderá ter nos indivíduos que apresentem estes fatores de risco. De forma a averiguar esta questão os investigadores do Pennington Biomedical Research Center, nos EUA, analisaram os dados de seis estudos que tinham avaliado, de uma forma rigorosa, o efeito da prática de exercício em 1.687 adultos.

 

Os investigadores analisaram as respostas adversas à prática de exercício dos participantes através da medição da pressão arterial sistólica em repouso, dos níveis do colesterol HDL no plasma sanguíneo, dos níveis de triglicerídeos e de insulina em 60 indivíduos, durante três semanas. Os autores do estudo definiram como resposta adversa um aumento de 10 mmHg ou mais na pressão arterial sistólica em repouso, um aumento de 0.42 mmol/L ou mais na concentração de triglicerídeos, um aumento de 24 pmol/L ou mais na concentração de insulina ou uma diminuição de pelo menos de 0.12 mmol/L no colesterol HDL.

 

Quando os investigadores aplicaram esta tipificação aos resultados obtidos nos seis estudos, foi verificado que 8.4% dos indivíduos apresentavam uma alteração adversa na concentração de insulina e que 12.2%,10.4% e 13.3% dos participantes também tiverem alterações adversas, no que diz respeito à pressão arterial sistólica em repouso, concentração de triglicerídeos e de colesterol HDL, respetivamente.

 

O estudo também apurou que 7% dos indivíduos tiveram efeitos adversos em dois ou mais dos fatores de risco. Contudo, os investigadores constataram que estes efeitos adversos não estavam associados com o estado de saúde, idade ou quantidade de exercício físico praticado pelos participantes.

 

“Alguns indivíduos têm respostas adversas quando praticam exercício físico regular, mas as causas para este fenómeno ainda não são conhecidas”, revelaram, em comunicado de imprensa, os autores do estudo.
Os investigadores concluem que “ocorrem respostas adversas associadas à prática regular de exercício no que se refere aos fatores de risco cardiovascular e diabetes. O desafio é agora investigar quais os marcadores que podem prever este tipo de respostas e formas de as impedir.

 

Os autores do estudo alertam para o fato de estes resultados não sugerirem que as pessoas devem parar de praticar exercício, mas chamam atenção para a importância deste tipo de informação nos programas de exercício físico personalizados.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.