Exercício físico em demasia pode ser prejudicial

Estudo publicado nos “Archives of Disease in Childhood”

25 novembro 2013
  |  Partilhar:

Tal como em tantos outros temas, a prática de exercício físico tem de ser equilibrada. Na verdade um novo estudo publicado nos “Archives of Disease in Childhood” defende que a prática exagerada pode ser tão prejudicial para a saúde dos adolescentes quanto a sua prática diminuta.
 

O Department of Health and Human Service, nos EUA, aconselha os adolescentes entre os seis e os dezassete anos a praticar pelo menos 60 minutos diários de atividade física, o equivalente a sete horas semanais.
 

O estudo levado agora a cabo pelos investigadores da Universidade de Lausanne, Suíça, sugere que, para que os adolescentes consigam obter o máximo proveito da atividade física, deveriam ser despendidas 14 horas semanais.  No entanto também defendem que a prática de mais de 14 horas semanais parece ser prejudicial para a saúde.
 

De forma a chegarem a estas conclusões, os investigadores contaram com a participação de 1.245 adolescentes com idades compreendidas entre 16 e os 20 anos. Todos os participantes foram questionados sobre o peso, altura, estatuto socioeconómico, prática de desportos e bem-estar.
 

O bem-estar foi aferido através índice de bem-estar da organização mundial de saúde, que fornece pontuações entre 0 e 25. Uma pontuação abaixo dos 13 é indicadora de um baixo bem-estar. Do total dos participantes, 50,4% eram homens com uma média de 17.95 anos. Quase 9% destes homens tinham excesso de peso ou eram obesos.
 

Os investigadores classificaram a atividade desportiva como baixa (até 3,5 horas semanais), média (3,6 a10,5 horas), elevada (10,6-17,5 horas) e muito elevada (mais de 17,5 horas).
 

O estudo apurou que os adolescentes incluídos no grupo de baixa ou muito elevada atividade física apresentavam um risco duas vezes maior de terem valores abaixo dos 13 na escala de avaliação de bem-estar, comparativamente com o grupo que praticava entre 3,6 a 10,5 horas. De acordo com estes resultados, os investigadores referem que a associação entre a duração da prática de exercício físico e o bem-estar pode ser representado por um gráfico em forma de U invertido. Sendo a prática de 14 horas de exercício físico aquela em que se obtém os maiores benefícios no que diz respeito ao bem-estar.
 

"A atividade física tem sido positivamente associada ao bem-estar emocional, diminuição da depressão, ansiedade, stress, melhorando da autoestima e funcionamento cognitivo das crianças e adolescentes. No entanto, constatamos que a prática de exercício físico deixa de ser um fator protetor e torna-se um fator de risco quando é praticada ao longo de mais 14 horas semanais”, concluem os autores do estudo.  
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.