Exercício físico ajuda na autonomia dos pacientes com Alzheimer

Estudo da Universidade do Porto

29 fevereiro 2016
  |  Partilhar:

A prática de exercício físico pelos indivíduos com doença de Alzheimer ajuda a manter a autonomia nas atividades diárias, conclui um estudo da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto (FADEUP).
 

A investigadora Arnaldina Sampaio revelou à agência Lusa que "o objetivo do projeto é permitir aos doentes preservar e manter as capacidades do dia-a-dia, como vestirem-se sozinhos e ter força e equilíbrio suficiente para levantar e andar sem auxílio e de forma autónoma".
 

Um outro objetivo do projeto é trabalhar os sintomas neuropsiquiátricos (apatia e alucinações, por exemplo) que levam os doentes a serem encaminhados para instituições pelas pessoas que os tratam, os "cuidadores", que, na maior parte dos casos, não têm uma formação adequada para o fazer.
 

De forma a desenvolver o projeto intitulado "Exercício Físico, capacidade cognitiva, capacidade funcional e qualidade de vida de idosos com Alzheimer" a investigadora teve contacto com doentes de 15 instituições, em duas intervenções distintas.
 

Na primeira fase, que ocorreu em 2012 e teve a duração de seis meses, foram incluídos cerca de 30 doentes com Alzheimer, provenientes de instituições de Viseu, que realizaram atividades onde treinaram força, equilíbrio e flexibilidade.
 

Na segunda intervenção, em 2014, "já com a experiência da primeira", o estudo foi alargado para pessoas com diferentes tipos de demências e foram analisadas outras vertentes – como a capacidade funcional – em cerca de 60 doentes de instituições de Ovar, Viana do Castelo e Lavra, também durante um semestre.
 

"As instituições são muito fechadas e encaram este tipo de tratamento aos doentes de Alzheimer como um tabu", referiu Arnaldina Sampaio. No Porto não foi possível trabalhar com nenhuma instituição, tendo que se deslocar para as outras cidades do país onde as intervenções foram realizadas.
 

O estudo contou ainda com a participação da investigadora Joana Carvalho, responsável pelo programa "Comunitário mais ativo, mais vivido", que fornece a idosos com mais de 65 anos aulas de exercício físico, duas a cinco vezes por semana, para trabalhar diferentes aspetos físicos e sociais, nas instalações da FADEUP.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar