Excesso de peso: maioria das crianças vive nos países em desenvolvimento

Alerta da Organização Mundial de Saúde

07 junho 2013
  |  Partilhar:

Mais de 75% das crianças com excesso de peso vivem nos países em desenvolvimento, que têm políticas para reduzir a subnutrição, mas negligenciam o peso das doenças associadas à obesidade, alertou a  Organização Mundial de Saúde (OMS).
 

“Cada vez mais, encontramos crianças com excesso de peso a viver em países onde a subnutrição ainda é uma questão", revelou o diretor do departamento de Nutrição para a Saúde e o Desenvolvimento da OMS, Francesco Branca.
 

Apesar de ser "vital manter os esforços para reduzir a subnutrição", o responsável sublinhou que "o mundo precisa de fazer muito mais para prevenir e cuidar do número crescente de pessoas com excesso de peso e obesidade que vivem em países de médio e baixo rendimento”.
 

A notícia avançada pela agência Lusa refere as declarações de Francesco Branca surgem a propósito do lançamento pela organização de uma revisão das políticas globais de nutrição e de um pacote de 24 medidas essenciais para abordar os problemas da nutrição a nível mundial. A melhoria da nutrição das mulheres grávidas e a amamentar, o encorajamento da amamentação, a promoção do consumo de alimentos sólidos apropriados pelas crianças e o fornecimento de suplementos nutricionais e alimentos fortificados quando necessário, são algumas das medidas preconizadas.
 

A OMS alerta que tanto a subnutrição como a obesidade e o excesso de peso - todos eles formas de malnutrição - têm causas e consequências intimamente ligadas às falhas dos sistemas de alimentação. Um sistema alimentar que não fornece uma quantidade suficiente de alimentos de qualidade pode levar tanto a um fraco crescimento como a um excesso de peso, alerta a organização.
 

Uma criança que cresceu pouco nos seus primeiros anos de vida pode tornar-se um adolescente pequeno mas com excesso de peso e, mais tarde, desenvolver doenças crónicas em adulto, pode ler-se no comunicado da OMS.
 

A nível global, mais de 100 milhões de crianças com menos de cinco anos têm baixo peso e 165 milhões têm baixa estatura para a idade, um indicador melhor para a subnutrição crónica, alerta a agência da ONU para a saúde.
 

A organização estima que 35% de todas as mortes entre crianças com menos de cinco anos estejam associadas à subnutrição. Ao mesmo tempo, 43 milhões de crianças da mesma idade sofrem de excesso de peso ou obesidade.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.