EUA: Governo e proprietários de células estaminais negoceiam distribuição
23 agosto 2001
  |  Partilhar:

O governo norte-americano e a fundação WARF, que possui a patente de 6 milhões de células estaminais embrionárias, iniciaram conversações para distribuir estas prometedoras células entre a comunidade científica mundial, segundo a agência noticiosa EFE.
 

 

O diálogo teve início após o presidente George W. Bush ter anunciado o seu apoio à investigação das polémicas células embrionárias, desde que limitada às 60 linhas que, segundo disse, existiam.
 

 

A fundação WARF, da Universidade de Wisconsin, possui cinco linhas de células, colhidas em 1998 pelo biólogo James Thomson.
 

 

"As conversações começaram e vão continuar", disse Andrew Cohn, o responsável pelos assuntos governamentais da Fundação WARF, que se encarrega da gestão das patentes sobre os avanços conseguidos na Universidade de Wisconsin.
 

 

"O importante é estarmos a tentar fornecer novas células embrionárias para a investigação aos cientistas de todo o mundo. "Não se trata de uma questão de dinheiro", precisou Cohn.
 

 

As negociações, nas quais estão envolvidos os Institutos norte- americanos da Saúde (NIH), têm por objectivo pôr à disposição de todos os cientistas as prometedoras células para as quais Bush garantiu apoio financeiro, numa polémica decisão na qual intervieram critérios científicos e convicções morais.
 

 

 

Células polémicas
 

 

As células estaminais embrionárias são as mais prometedoras para a ciência porque, se forem cultivadas, podem dar origem a qualquer um dos tecidos que formam o corpo humano, representando uma possível cura ou alternativa de tratamento para doenças como a Parkinson e a Alzheimer.
 

 

Mas também são polémicas, já que provêm de embriões e a sua extracção pressupõe que estes sejam destruídos.
 

 

Por este motivo, Bush apenas concedeu apoio à investigação de células que já tinham sido extraídas, nas quais "a decisão de vida ou de morte tenha sido tomada".
 

 

A decisão transformou as células que Thomson extraiu em 1998, que formam a linha procedente dos "blastocitos" ou embrião de 5 dias, numa das mais procuradas entre as disponíveis.
 

 

Sem que seja conhecido quando poderá ser alcançado um acordo para a sua distribuição, já que Andrew Cohn afirma que a "WARF não diz ao Governo o que tem de fazer", as conversações têm lugar tanto pessoalmente como por telefone.
 

 

Negócio
 

 

As células que estão em negociação no caso da fundação WARF, que possui a patente sobre cerca de 6,3 milhões de células, conseguidas na Universidade Johns Hopkins pelo investigador John Gearhart, procedentes de fetos, e que são detidas pela empresa Geron Corporation, são as únicas por enquanto conhecidas que cumprem os requisitos impostos pelo presidente norte-americano.
 

 

Vários cientistas expressaram a sua estranheza perante o anúncio de Bush de que existiam 60 linhas de células estaminais embrionárias, já que os cálculos mais optimistas não ultrapassam a dúzia.
 

 

Quando estiverem disponíveis para toda a comunidade científica, os investigadores deverão experimentar qual a melhor linha para cada doença.
 

 

Até agora, cientistas norte-americanos e israelitas conseguiram transformar células precursoras embrionárias em tecido muscular, neuronal e até em células precursoras da insulina.
 

 

Os investigadores esperam poder cultivar colónias de células que possam ser implantadas num coração deteriorado por um enfarte ou num cérebro de uma doente de Parkinson, para que as células reparadoras se fixem e reproduzam, recuperando o tecido destruído.
 

 

Um avanço que só deverá apresentar os primeiros resultados no espaço de uma década.
 

 

Fonte: Lusa
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.