Estudos sobre a dor distinguidos

Prémios Grünenthal

20 setembro 2016
  |  Partilhar:
Investigadores portugueses foram distinguidos pela Fundação Grünenthal por trabalhos desenvolvidos em Portugal na área de estudo da dor.
 
O Prémio de Investigação Básica foi atribuído ao trabalho “A injeção intra-articular de colagenase no joelho de ratos como modelo alternativo para o estudo da nocicepção associada à osteoartrose” realizado pelos investigadores do departamento de Biologia Experimental, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, e do grupo de Morfofisiologia do Sistema Somato-sensitivo (Grupo de Dor), do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (I3S)
 
Sara Adães, investigadora principal do estudo vencedor, explicou à agência Lusa que “os modelos animais usados na investigação da dor associada à osteoartrose centravam-se predominantemente no desenvolvimento de alterações que desencadeiam a dor, falhando na capacidade de reproduzir os mecanismos patogénicos e as características estruturais da doença”. 
 
No estudo, os investigadores decidiram avaliar se o modelo da injeção de colagenase, até então utilizado apenas para o estudo das características estruturais da doença, reproduziria também as características da dor associada à osteoartrose. O mesmo modelo para estudar mecanismos patológicos subjacentes ao desenvolvimento da dor.
 
Os investigadores verificaram que “o modelo animal apresenta um perfil de desenvolvimento de dor semelhante ao observado na osteoartrose humana, pelo que poderá reproduzir mais eficazmente as características da doença e, consequentemente, permitir uma melhor translação dos resultados experimentais para a prática clínica”. 
 
O estudo apurou ainda que, numa primeira fase de desenvolvimento da doença, a dor associada à osteoartrose tem características predominantemente inflamatórias. No entanto, numa fase mais avançada, a progressão das alterações estruturais articulares cria condições que favorecem a lesão dos neurónios sensitivos que inervam essas articulações e o desenvolvimento de alterações com características neuropáticas, isto é, derivadas da disfunção do tecido nervoso.
 
O Prémio de Investigação Clínica foi atribuído a uma equipa da Sociedade Portuguesa de Reumatologia pelo trabalho “O encargo da lombalgia crónica na população adulta portuguesa: resultados de um estudo de base populacional (EpiReumaPt)”.
 
“Até à data, a prevalência e o encargo social da lombalgia crónica eram desconhecidos e o nosso Grupo de Investigação decidiu explorar esta questão tendo em conta os seguintes tópicos: prevalência, «peso» social da lombalgia crónica e análise do encargo adicional dos sintomas psicológicos (ansiedade e depressão) em indivíduos com esta patologia”, disse à agência Lusa, Nélia Gouveia, investigadora principal do estudo.
 
A investigação apurou que “a lombalgia crónica é um problema de saúde muito comum em Portugal, afetando 10,4% da população adulta (o que corresponde a mais de um milhão de portugueses)”. 
 
Este estudo apurou ainda que a lombalgia crónica contribui para uma grande incapacidade por parte dos doentes e pior qualidade de vida, com efeitos consideráveis no desempenho laboral e bem-estar dos indivíduos, estando ainda associada a um grande consumo de recursos de saúde.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.