Estudo analisa cérebros de fumadores que estão a deixar de fumar

Resultados publicados na revista “Archives of General Psychiatry”

06 janeiro 2011
  |  Partilhar:

Um novo estudo relata como dois medicamentos prescritos no tratamento da cessação tabágica (a bupropiona e a vareniclina) mudam a forma como o cérebro reage quando a pessoa vê alguém a fumar. O estudo foi publicado na revista “Archives of General Psychiatry”. 

 

A bupropiona (Zyban) é prescrita em todo o mundo para ajudar as pessoas a resistir ao desejo de fumar, embora não se saiba, muito bem, o mecanismo pelo qual isso acontece.

 

Para aferir essa relação, a equipa liderada por Christopher S. Culbertson, da University of California, em Los Angeles, EUA, realizou exames de ressonância magnética aos cérebros de 30 fumadores que tomaram o fármaco ou um placebo durante oito semanas.

 

Os investigadores avaliaram em que medida os participantes estavam ansiosos para fumar, pedindo-lhes para responder a um questionário após verem sinais "neutrais" relacionadas com o fumo ou vídeos de 45 segundos onde apareciam actores a fumar. Os que tomavam o medicamento relataram menos ansiedade, ao contrário dos que tomavam um placebo. Também mostraram menos actividade nas áreas cerebrais relacionadas com o tabagismo (o sistema límbico e o córtex pré-frontal).

 

Num segundo estudo, liderado por Teresa Franklin, da Pennsylvania University, também nos EUA, foram utilizados exames de ressonância magnética para avaliar o cérebro de 22 fumadores que tomavam vareniclina (Champix) ou um placebo durante três semanas. Os participantes assistiram a vídeos de dez minutos, alguns dos quais incluíam itens relacionados com o acto de fumar.
Aqueles que tomaram o fármaco apresentaram uma menor actividade cerebral em algumas áreas e referiram menos ansiedade depois de assistirem aos filmes criados para despertar sinais de desejo pelo fumo.

 

"Os resultados deste estudo revelam uma acção nova e distinta da vareniclina que pode contribuir para a sua eficácia clínica", escreveram os cientistas, adiantando que "os esforços infrutíferos para parar de fumar são mais prevalentes em indivíduos com doença psiquiátrica, que têm mais dificuldade em parar de fumar. A vareniclina e outros fármacos que podem reduzir, tanto os sintomas de abstinência, como a reactividade dos sinais, podem beneficiar estes subgrupos”.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.