Esclerose múltipla originada numa parte diferente do cérebro

Estudo publicado na revista “PLOS ONE”

17 setembro 2013
  |  Partilhar:

A esclerose múltipla parece ser causada numa região do cérebro diferente daquela que, ao longo de várias gerações, a comunidade científica acreditava ser a responsável, dá conta um estudo publicado na revista “PLOS ONE”.
 

Até à data, a maioria da investigação sobre a esclerose múltipla centrou-se na substância branca do cérebro que contém as fibras nervosas. A razão deste foco teve por base o facto de os sintomas da doença, que incluem fraqueza muscular e perda de visão, ocorrerem quando há detioração da mielina, uma substância que cobre as células nervosas que contêm substância branca, e que atua como isolador. Quando a mielina é degradada, aparentemente pelo próprio sistema imunológico, as fibras nervosas ficam expostas e a transmissão dos impulsos nervosos fica interrompida ou é abrandada.
 

Porém, neste estudo, os investigadores da Escola de Medicina de Nova Jérsia, nos EUA, “atacaram” esta condição de uma forma distinta. Através da utilização da combinação de proteómica  e espectrofotometria de massa de alta resolução, analisaram o fluido cefalorraquidiano de pacientes recentemente diagnosticados com esclerose múltipla, outros onde a doença já estava estabelecida e ainda em indivíduos sem sinais de doença neurológica.
 

O estudo apurou que as proteínas encontradas no líquido cefalorraquidiano dos pacientes recentemente diagnosticados com a doença sugeriram que não havia apenas danos na substância branca. A substância cinzenta, que contém axónios, dendritos e sinapses que transferem os sinais entre as células nervosas, também apresentava danos significativos.
 

Alguns investigadores já tinham de facto colocado a hipótese de a substância cinzenta poder estar envolvida no início da esclerose múltipla, contudo não havia tecnologia necessária para testá-la. Segunda a coautora do estudo, Patricia K. Coyle, esta nova abordagem permitiu ter, pela primeira vez, uma evidência física sólida. Foi verificado que nove proteínas associadas à substância cinzenta eram de longe mais abundantes nos pacientes que tinham apenas sofrido o primeiro ataque, comparativamente com aqueles nos quais a doença já se tinha instalado ou com os indivíduos do grupo de controlo.
 

Estes resultados indicam que a substância cinzenta parece ser um alvo inicial crítico da esclerose múltipla. “Temos estado a investigar a área errada”, admitiu a investigadora.
 

Segundo Patricia K. Coyle, estes resultados apontam para possibilidades bastante interessantes. Uma está relacionada com o facto de se poder testar o líquido cefalorraquidiano de um indivíduo que sofra um ataque possivelmente associado com a esclerose múltipla. Caso sejam encontradas as proteínas associadas ao início da doença, o paciente pode assim iniciar a terapia antes de a doença progredir.
 

Adicionalmente estes achados podem também conduzir a tratamentos mais eficazes para a esclerose múltipla e com menos efeitos adversos. Os investigadores explicam que habitualmente os doentes necessitam de tomar medicação que enfraquece o sistema imunitário. Estes fármacos abrandam a destruição da mielina no cérebro, mas também degradam a capacidade de o sistema imunitário se manter saudável. Contudo, com esta nova descoberta, os autores do estudo acreditam que podem ser desenvolvidos tratamentos mais específicos contra a doença e que simultaneamente preservem as funções do sistema imunitário.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.