Esclerose múltipla: 20 anos após o diagnóstico, maioria precisa de ajuda

Dados da Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla

19 agosto 2010
  |  Partilhar:

Dados da Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla (SPEM), divulgados pela agência Lusa, referem que cerca de 60% dos doentes com esclerose múltipla (EM) precisam de ajuda para se movimentar 20 anos após o diagnóstico.

 

A falta de mobilidade é, para a comunidade médica, uma das prioridades de tratamento, numa patologia que já afecta cerca de seis mil portugueses.

 

 A EM é uma doença do foro neurológico, em que há o comprometimento do sistema nervoso central, que incapacita mais os jovens adultos e afecta mais as mulheres do que os homens. Os primeiros sinais da doença surgem normalmente entre os 15 e os 40 anos, sendo os sintomas mais comuns dormência, fadiga, desequilíbrio, dificuldades de mobilidade e perda de visão.

 

A fisioterapia, nomeadamente o método de Bobath, com o qual o doente aprende a sensação do movimento, é um dos instrumentos mais utilizados no tratamento de EM.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Classificações: 2Média: 5
Comentários 1 Comentar

Esclerose Multipla

Muito Boa Tarde. Em 2005 Começou tudo da minha parte nunca tinha houvido falar nesta doença e depois de muitos problemas recebi o diagnostico esclerose.
Em 2006 comecei com Betaferon de dois em dois dias e tanho andado mais ou menos. Disseram-me qque ia chegar um nono medicamento que seria a grande revoluçao porque era muito bom diretamente para a doença pois sabem que o Betaferon è para o sistema imunitario e a doença fica sempre ou estou enganado se poderem me ajudar a saber mais qualqer coisa por favor me digam. Me desculpem mas eu estou fora de Portugal Hà mais de 20 anos os erros ja säo talves muitos. Muito obrigado

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.