Enfermeiros estrangeiros em Portugal

Dia Internacional dos Enfermeiros

12 maio 2004
  |  Partilhar:

Na data em que se celebra o Dia Internacional dos Enfermeiros, a Ordem dos Enfermeiros (OE) revela os números de profissionais estrangeiros a trabalhar no país. Segundo a OE, nos últimos anos, Portugal tornou-se um destino com procura crescente por enfermeiros estrangeiros – designadamente brasileiros, originários dos países africanos de expressão portuguesa e, principalmente, espanhóis -, que em 31 de Dezembro de 2003 já formavam uma comunidade cujo número ascendia a 2.298 profissionais, ou seja, mais de cinco por cento da totalidade dos recursos humanos de enfermagem a nível nacional.
 

 

 

É particularmente significativa a evolução do número de profissionais espanhóis nos últimos quatro anos, que, de 350 no final de 2000, cresceu muito rapidamente, passando a 740 em fins de 2001, voltando a duplicar em 2002 ao alcançar os 1.537, para, finalmente, registar um abrandamento no ritmo de crescimento em 2003, ano que terminou com o número de enfermeiros oriundos do país vizinho a situar-se num total de 1.801 - mais de oitenta por cento dos enfermeiros estrangeiros em exercício em terras lusas.
 

 

 

De acordo com os dados da Ordem dos Enfermeiros referentes ao final de 2003, a maior parte dos enfermeiros estrangeiros em Portugal rumou para terras do Sul, onde trabalham 1.746 profissionais, o que equivale a 76 por cento do número total dos 2.298 estrangeiros inscritos na Ordem dos Enfermeiros. E dentro do Sul concentram-se, predominantemente, na região de Lisboa e no Distrito de Faro. No Centro os estrangeiros contam-se em apenas 309, dos quais 70 por cento são originários de Espanha.
 

 

 

Espanhóis em Lisboa
 

 

 

E no caso muito particular dos enfermeiros de origem espanhola, a grande maioria trabalham no Distrito de Lisboa (1.107), seguindo-se Faro (271) e Aveiro (161). Curiosamente, os dados disponíveis indicam que os profissionais originários do país vizinho pouco rumam às regiões do interior ou do Norte.
 

 

 

Entretanto, a segunda comunidade mais numerosa entre os estrangeiros – a brasileira -, distribui-se de modo bastante mais equilibrado pelo território Continental – 32 na região Centro, 55 a Norte e 50 a Sul.
 

 

 

Entretanto, olhando os dados relativos à distribuição etária dos enfermeiros estrangeiros a trabalharem em Portugal, conclui-se que são maioritariamente jovens. É evidente entre os profissionais estrangeiros o predomínio das faixas etárias abaixo dos 30 anos, representando 72 por cento da totalidade do grupo.
 

 

 

Aspecto curioso é que a grande maioria parece ter vindo, se não para ficar definitivamente, pelo menos com vontade de permanecer por um larga temporada. Por exemplo, o saldo do movimento de inscrições vs anulações de enfermeiros espanhóis na Ordem dos Enfermeiros é francamente positivo, revelando que num período de cinco anos mais de 60 por cento permanecem em Portugal, aferindo pelos registos de pagamentos de quotas. Ou seja, de um total de 2.277 enfermeiros originários do país vizinho inscritos na Ordem entre 1999 e 2003, apenas 462 procederam, nesse mesmo período, ao cancelamento ou anulação do referido título profissional e dos restantes somam 377 os que apresentam mais de um ano de quotas em atraso.
 

 

 

 

 

 

MNI- Médicos na Internet

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.