Elevadas doses de antibiótico podem causar danos renais nas crianças

Estudo publicado nos “Annals of Pharmacotherapy”

29 dezembro 2014
  |  Partilhar:
A toma de doses elevadas do antibiótico vancomicina, utilizado no tratamento de infeções bacterianas resistentes aos fármacos, pode aumentar o risco de danos renais nas crianças, defende um estudo publicado nos “Annals of Pharmacotherapy”.
 
A vancomicina é um fármaco reservado para o tratamento de infeções bacterianas que não respondem a outros medicamentos e há décadas que é utilizado com segurança. Contudo, com a propagação das bactérias resistentes aos fármacos, como o Staphylococcus aureus resistente à meticilina, em 2009 foi aconselhado aumentar a dose do fármaco perante a suspeita de uma infeção resistente.
 
Apesar destas novas diretrizes terem sido formuladas para pacientes adultos, muitos hospitais pediátricos têm aplicado esta abordagem de doses elevadas no tratamento de crianças. Por outro lado, os investigadores do Centro Pediátrico Johns Hopkins, nos EUA, também referem que este antibiótico, já utilizado há cerca de 30 anos, pode salvar a vida de muitos pacientes com infeções graves e que os danos renais são geralmente reversíveis quando o tratamento é terminado.
 
Neste estudo, os investigadores analisaram os registos médicos de 175 crianças às quais foi administrado vancomicina, entre 2009 e 2010, para o tratamento de infeções da pele, ossos, coração, pulmão, cérebro ou infeções sanguíneas provocadas pelo Staphylococcus aureus resistente à meticilina. Verificou-se que 14% desenvolveu danos renais.
 
O estudo apurou que quanto maior era a dose de antibiótico administrada, maior era o risco. Por cada 5mg por Kg o risco de falência renal aumentava 16%. Verificou-se também que por cada dia de tratamento adicional o risco aumentava 11%. O tempo médio de tratamento com vancomicina entre as crianças que sofreram danos renais foi de oito dias, comparativamente com os quatro dias naqueles que não apresentaram quaisquer danos.
 
“Os nossos resultados confirmam a dificuldade que existe entre assegurar que a dose é suficientemente elevada para tratar estas infeções sérias, que por vezes colocam risco de vida, e pequenos, mas reais riscos de danos renais. Em última análise o que necessitamos é de novos fármacos capazes de garantir o mesmo efeito terapêutico sem afetar os rins ou outros órgãos”, revelou, em comunicado de imprensa, um dos autores do estudo, Carlton Lee.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar