Efeitos da refeição na performance física

Estudo da Universidade do Porto

17 março 2014
  |  Partilhar:

Uma equipa de investigadores da Universidade do Porto (UP), liderada pela Faculdade de Medicina, vai avaliar os efeitos que uma só refeição, consumida antes da prática desportiva, pode ter na saúde.
 

Este estudo pretende ainda avaliar quais as consequências físicas de uma redução abrupta da atividade. Para isso, vão recrutar jovens com idades entre os 18 e os 35 anos, que tenham uma vida ativa e vontade de colaborar.
 

“A alimentação e a atividade física muitas vezes são influenciadas pelo ritmo frenético do quotidiano das pessoas, que veem assim o seu estilo de vida alterado. Ingerir refeições rápidas ou parar subitamente de praticar exercício durante algumas semanas são algumas situações que acontecem com frequência no dia-a-dia de muitos indivíduos”, lê-se no comunicado enviado pela UP
 

“Pretendemos perceber de que forma uma refeição consumida antes do exercício e o sedentarismo agudo afetam, de forma imediata, a nossa resposta inflamatória e o sistema imunológico”, referiu o coordenador do estudo, André Moreira.
 

O estudo é constituído por três fases. “Na primeira será feita uma avaliação antropométrica (avaliação peso, altura, perímetro abdominal, entre outros parâmetros), efetuados testes cutâneos e de alergia, avaliada a função respiratória e serão preenchidos questionários de avaliação nutricional e de atividade física pelos voluntários”, explica uma das investigadoras do projeto, Diana Silva.
 

A segunda parte do estudo é denominada por Eat and Run (Come e Corre). No primeiro dia, os participantes vão ser sujeitos a algumas avaliações e após o almoço vão ser novamente avaliados e submetidos a uma prova de esforço físico, mediante uma corrida em tapete rolante. Uma semana depois, o esquema das avaliações, almoço e provas, será realizado novamente.
 

Na terceira etapa, denominada por Slow Down (Abranda) consiste em, durante duas semanas, os participantes reduzirem ao máximo a sua atividade física e tornarem-se “sedentários”., durante duas semanas. “Devem passar muito tempo deitados, a ver televisão, e utilizar o elevador em vez das escadas, por exemplo”, explica Diana Silva. Após as duas semanas, serão reavaliados e verificadas as consequências da inatividade física.  
 

Os interessados em participar podem inscrever-se no site da FMUP (www.med.up.pt). Para além de receberem duas refeições grátis, terão acesso aos resultados da prova de esforço, aos relatórios médicos de todos os exames e a uma avaliação e recomendação elaborados por um nutricionista. O ensaio clínico arrancará na primeira semana de abril.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

 

Partilhar:
Classificações: 1 Média: 5
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.