E. coli multirresistente detetada nos intestinos de mulheres saudáveis

Estudo publicado na revista “Clinical Infectious Diseases”

13 agosto 2019
  |  Partilhar:
Um estudo recente revelou que muitas mulheres sem sintomas de infeção do trato urinário poderão possuir estirpes de Escherichia coli (E. coli) resistente a múltiplos fármacos nos intestinos durante longos períodos de tempo.
 
A revelação que foi baseada na análise das fezes de mais de 1.000 mulheres, resultou na deteção de estirpes daquela bactéria em 8,8% das participantes.
 
Segundo os investigadores que conduziram o estudo, da Faculdade de Medicina da Universidade de Washington, EUA, este achado causa preocupação em termos clínicos pois a bactéria E. coli pode passar do trato digestivo para o trato urinário feminino através da uretra, que é mais curta e posicionada de forma diferente nas mulheres em relação aos homens. A bactéria pode depois aceder à bexiga e a outras partes do trato urinário.
 
Mais de um terço das amostras de urina das participantes que evidenciavam a presença de E. coli resistente ao antibiótico fluoroquinolona, revelaram ainda crescimento da bactéria. Destes casos, quase 77% eram resistentes às fluoroquinolonas.
 
A maioria das E. coli patogénicas detetadas pela equipa pertencia às estirpes pandémicas multirresistentes ST131-H30R ou ST1193 que causam atualmente a maioria das infeções multirresistentes do trato urinário ou da corrente sanguínea. Estas estirpes foram detetadas com o dobro da frequência na urina das mulheres em comparação com outras estirpes de E. coli em geral. 
 
Adicionalmente, a presença da ST131-H30R nos intestinos foi associada a idade avançada, neste estudo. 
 
Três meses após a análise à urina, foram diagnosticadas infeções do trato urinário em quase 7% de 45 mulheres (as que consentiram acompanhamento) que tinham evidenciado estirpes de E. coli assintomáticas.  
 
Os investigadores concluem que poderá ser necessário rever o significado clínico de detetar bactérias na urina, mesmo sem sintomas, durante a atual pandemia de estirpes multirresistentes de E. coli pois estas poderão pôr os hospedeiros em risco de doenças bacterianas de tratamento difícil. 
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentar