Drogas e álcool promovem sexo desprotegido na juventude
11 fevereiro 2002
  |  Partilhar:

O álcool e a droga geram uma maior actividade sexual. Um estudo apresentado na Universidade de Columbia, em Nova Iorque, concluiu que 43 por cento dos jovens americanos, dos 15 aos 24 anos, "poderão ter mais relações sexuais do que eles próprios tinham previsto, devido ao álcool ou drogas". Entre a população sexualmente activa, 23 por cento revelou mesmo não utilizar contraceptivos quando se encontravam ébrios ou sob o efeito de estupefacientes.
 

 

"Ligações Perigosas: Abuso de Substâncias e Comportamento Sexual" é o título do estudo elaborado pela Fundação da Família Kaiser, que pretendeu analisar a actividade sexual da juventude americana, relacionando-a com o consumo de drogas e bebidas alcoólicas.
 

 

O estudo incidiu sobre um universo de 998 jovens, entre os 15 e os 24 anos, tendo respondido também aos inquéritos 202 adolescentes, entre os 13 e os 14, a quem não foram feitas perguntas quanto à sua vida sexual pessoal.
 

 

Os jovens sentem uma grande necessidade de desinibição para poderem passar à prática sexual, pelo que procuram a ajuda de substâncias como o álcool e a droga. Segundo esta recente investigação, um em cada cinco adolescentes, entre os 13 e os 19 anos, admitiram ter bebido no dia em que tiveram a sua primeira relação sexual.
 

 

Joseph Califano Jr., ex-secretário da Saúde norte-americano, advertiu para o facto de que "quando se mistura bebida com drogas e sexo, poder-se-á passar para um mundo de perigos, nomeadamento quanto ao contágio do vírus da sida, doenças sexualmente transmissíveis, gravidez na adolescência e violações".
 

 

Ler mais em: DN
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.