Dor no contexto hospitalar

Prémio da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna/Grünenthal

22 abril 2014
  |  Partilhar:

Este ano a Sociedade Portuguesa de Medicina Interna/Grünenthal premiou a realidade da dor em contexto hospitalar.
 

“A dor é uma queixa frequente (2 em cada 3 doentes referiram algum tipo de dor) e tem impacto considerável nos doentes internados. Apesar de dores intensas referidas, os fármacos mais usados em ambulatório e internamento foram analgésicos não opióides”, refere o estudo.
 

De acordo com o comunicado enviado à ALERT, o estudo conclui também que “com o aumento da idade dos doentes há uma diminuição do alívio da dor com a medicação analgésica usada em internamento e uma maior interferência da dor nas atividades do seu dia-a-dia”.
 

O trabalho distinguido é da autoria de Pedro Figueiredo, Rui Valente, Samaher Tannira, Diana Ferreira, Catarina Zilhão, Célia Gonçalves, Francisco Silva e Alberto Mello e Silva, do Serviço de Medicina II, do Hospital Egas Moniz - Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental.
 

Este estudo pretendeu analisar a prevalência de dor aguda e crónica no internamento de Medicina de um hospital; caraterizar a população; avaliar o controlo da dor com a medicação instituída em ambulatório e com a prescrita no internamento, e comparar ainda a dor referida pelo doente com a registada.
 

O prémio da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna/Grünenthal teve como objetivo galardoar trabalhos originais em língua portuguesa de investigação ou de descrição de casos clínicos no âmbito do tratamento da dor crónica. Ao trabalho vencedor foi atribuído o prémio de 2.000 euros.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.