Dor crónica: novo alvo encontrado

Estudo publicado na revista “Neuron”

26 maio 2014
  |  Partilhar:

Investigadores americanos descobriram um novo alvo para o tratamento da dor crónica, uma enzima denominada por PIP5K1C, dá conta um estudo publicado na revista “Neuron”.
 

A formação da dor parece ser um processo simples, mas a nível celular é algo bastante complexo. Quando o organismo sofre danos, ocorre produção de vários produtos químicos que causam dor devido à sua ação nos vários recetores encontrados na superfície dos neurónios sensíveis à dor.
 

Os investigadores da Escola de Medicina da Universidade da Carolina do Norte, nos EUA, referem que um dos grandes problemas desta área é a dificuldade em bloquear todos estes recetores.
 

De forma a tentar ultrapassar este problema, os investigadores, liderados por Mark Zylka, tentaram identificar quais os pontos comuns entre todos estes receptores. Após alguns ensaios, os investigadores apuraram que o lípido PIP2 era um fatores comuns que estes receptores necessitavam para sinalizar a dor.  
 

Posteriormente os investigadores colocaram a hipótese de a diminuição dos níveis de PIP2, poder, em teoria, reduzir a dor, pelo facto dos recetores sinalizarem com menos eficácia.
 

Através de estudos realizados em ratinhos foi apurado que a enzima PIP5K1C era a responsável pela produção de pelo menos metade da PIP2 nos neurónios sensoriais. Estas experiências indicaram que “a redução de 50% dos níveis de PIP5K1C era suficiente para diminuir os níveis de PIP2 nos tecidos que continham neurónios sensíveis à dor”, referiu o investigador, em comunicado de imprensa.
 

Após terem percebido que os níveis de PIP2 poderiam ser reduzidos via PIP5K1C, os investigadores tentaram identificar moléculas capazes de bloquear esta enzima. Entre os compostos identificados, o UNC3230 demonstrou ter um efeito mais forte.
 

Na opinião dos autores do estudo, o UNC3230 poderá ser capaz de diminuir significativamente a dor inflamatória, envolvida nomeadamente na artrite, e dor neuropática. Esta última dor está habitualmente envolvida em condições tais como zona, dor nas costas, ou quando extremidades do corpo se tornam insensíveis, devido aos efeitos colaterais da quimioterapia ou doenças como a diabetes.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.