Dor crónica estudada em Portugal

Resultados prontos em dois anos

14 junho 2005
  |  Partilhar:

 

 

O primeiro estudo nacional sobre a incidência da dor crónica arrancou terça-feira, com o objectivo de avaliar também o seu impacto económico e sobre os serviços de saúde, disse à Lusa o coordenador do trabalho, José Castro Lopes.
 

 

Realizado pela Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, em colaboração com a Associação Portuguesa para o Estudo da Dor (APED), e com o apoio de dois laboratórios, a Grünenthal e a Janssen- Cilag, o estudo pretende igualmente avaliar as opções terapêuticas utilizadas na dor crónica e as barreiras para o tratamento.
 

 

Enquanto a dor aguda pode servir de alerta, a dor crónica não tem qualquer consequência benéfica e pode conduzir a alterações marcadas do organismo, que envolvem, entre outras, diminuição da resistência a infecções, perda de apetite, insónia, depressão, podendo em casos extremos levar ao suicídio. Em muitos casos, a dor crónica mantém-se também para além da cura aparente da lesão que lhe deu origem, tornando-se assim no único ou principal problema do doente.
 

 

O estudo, que será efectuado através de entrevistas telefónicas e presenciais, pretende ainda avaliar as atitudes e experiências individuais em relação à dor, tanto do doente, como dos seus familiares, amigos, colegas e também dos médicos.
 

 

O lançamento do estudo ocorreu ontem, data em que se assinalou o Dia Nacional de Luta Contra a Dor. O trabalho deverá estar concluído dentro de dois anos.
 

 

Fonte: Lusa
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.