Doentes queixam-se de problemas de comunicação com os médicos

Estudo realizado pela Associação de Defesa do Consumidor

03 outubro 2010
  |  Partilhar:

Os doentes queixam-se de problemas de comunicação com os médicos pois não lhes agrada o modo como os profissionais lhes falam e têm a sensação de que não são ouvidos, dá conta uma notícia avançada pela agência Lusa.

 

O estudo envolveu a participação de 3.840 portugueses, entre os 18 e os 74 anos, que foram questionados sobre o seu relacionamento com os profissionais de saúde e sobre os serviços online de apoio aos cuidados de saúde, como a possibilidade de contactar o médico, marcar consultas, pedir receitas nos centros de saúde pela Internet e de receber alertas por SMS.

 

Um quarto dos inquiridos queixa-se também dos efeitos secundários dos medicamentos e de ser difícil, assim como pouco prático, tomar os medicamentos, o que aumenta o risco de abandono do tratamento. Um terço dos inquiridos revela que os profissionais não procuram a opinião dos pacientes sobre as alternativas de tratamento e como este deve prosseguir.

 

De acordo com os autores do estudo, a falta de adesão ao tratamento é um ʺponto preocupante, pois em doenças como hipertensão, diabetes ou obesidade, o sucesso dos tratamentos depende muito da colaboração activa do pacienteʺ.

 

Para os inquiridos, os médicos de clínica geral têm os piores níveis de satisfação. O estudo refere ainda que a maioria dos inquiridos não pôde escolher o médico de clínica geral.

 

Segundo o inquérito, marcar consultas online, renovar receitas, expor dúvidas ou receber resultados de exames na caixa de correio electrónico já é uma realidade em Portugal, mas ainda pouco utilizada.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Classificações: 4Média: 4.3
Comentários 1 Comentar

Dificuldade de comunicação com o médico

Principalmente com a médica de familia é por vezes muito dificil comunicar e obter respostas às nossas questões que por vezes nem conseguimos expressar. Deviamos poder sim, escolher o médico de familia e mudar de médico caso fosse necessário sem termos problemas de, no caso de não conseguimos, sofrer represálias. Tenho uma médica há mais de 20 anos e por vezes parece que sou uma estranha. Os nossos médicos, infelizmente, pensam que são de uma classe superior aos demais e tratam-nos de acordo com essa posição assumida pela maioria. Até em casos que tanto doentes como familiares necessitam de mais atenção e esclarecimentos como o caso de um irmão meu com trissomia 21 que teve de sofrer uma intervenção cirurgica a uma hernia inguinal, que ficou com sequelas a todos os niveis, não há um único médico que seja mais humano e que nos dê uma informação concreta sobre o estado clinico dele. Tem 59 anos, é um caso pouco vulgar, poderia até ser um exemplo, mas infelizmente não o tomam assim, antes pelo contrário.

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.