Doentes com tuberculose devem ter enfermeiro como gestor de tratamento

Considerações do delegado de saúde regional de Lisboa e Vale do Tejo

27 março 2019
  |  Partilhar:
O delegado de saúde regional de Lisboa e Vale do Tejo defende que cada doente com tuberculose deve ter o seu gestor de tratamento, um papel a ser desempenhado pelo enfermeiro de família para acompanhar a medicação dos doentes, divulgou a agência Lusa.
 
“O doente com tuberculose tem uma terapêutica muito demorada [pode levar nove meses ou um ano]. As pessoas têm tendência para se desleixar, o que é natural. Proponho que a terapêutica seja acompanhada pelo enfermeiro de família”, defendeu Mário Durval.
 
Em declarações aos jornalistas, o delegado de saúde explicou que a proposta passa por criar uma espécie de gestor da terapêutica, que “garanta que é de facto tomada pelo doente”.
 
“E não se trata apenas de tomar, é acompanhar, aconselhar. É uma necessidade nos doentes com terapêuticas prolongadas e desagradáveis”, disse, defendendo que o acompanhamento tanto pode ser no domicílio como no centro de saúde, sendo essa uma decisão que deve caber ao gestor da terapêutica.
 
Mário Durval considera uma das áreas em que é necessário melhorar na tuberculose é garantir que a terapêutica é feita de forma adequada.
 
Há ainda o problema, identificado pelas autoridades de saúde, de atrasos no diagnóstico, com uma mediana de tempo entre os primeiros sintomas e o diagnóstico de 80 dias em 2018.
 
O delegado de saúde de Lisboa e Vale do Tejo alertou ainda para a quantidade de tempo que os médicos de saúde pública têm de dedicar a juntas médicas, quando podiam estar mais atentos às questões das doenças infetocontagiosas e epidemiológicas.
 
“Os médicos de saúde pública passam a vida a fazer juntas médicas, nalguns agrupamentos de centros de saúde ocupam mesmo muito tempo”, afirmou, considerando que estes profissionais se estão a “deslocar da essência” do seu trabalho.
 
“Era melhor dedicarmo-nos a coisas mais importantes para a saúde publica quando é necessário”, defendeu.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentar