Doenças oculares podem influenciar a segurança ao volante
27 julho 2011
  |  Partilhar:

Agora que muitas pessoas se preparam para fazer várias horas ao volante rumo aos destinos de férias, a Sociedade Portuguesa de Oftalmologia (SPO) deixa um alerta: ter atenção ao estado da visão é fundamental para uma condução segura.

 

Fernando Bivar, membro da SPO, explica que “há doenças oculares que não têm sintomas na sua fase inicial mas podem comprometer a qualidade da visão e, logo, a segurança da condução. Falamos do glaucoma, retinopatia diabética, retinopatias pigmentadas ou problemas do nervo óptico. As doenças que alteram a transparência do olho também podem ser problemáticas pois causam maior sensibilidade à luz”.
O especialista refere ainda que é fundamental “corrigir adequadamente os erros refractivos (miopia, hipermetropia e astigmatismo) antes de conduzir, ou seja, perceber se vê bem ou se precisa de usar óculos. Já quem utiliza lentes de contacto deve ter sempre perto de si uns óculos de substituição, para o caso de perder uma lente. Quem viaja durante o dia não deve esquecer-se de utilizar óculos de sol com lentes polarizadas”.

 

Há ainda factores externos que podem influenciar percepção visual na condução automóvel aos quais todos os condutores devem estar atentos. Fernando Bivar realça a iluminação como sendo um dos elementos primordiais de segurança na condução. A iluminação excessiva, por exemplo, pode reduzir a sensibilidade da retina e até mesmo causar dor física. Assim, o encandeamento, originado pelos faróis de um carro que circula em sentido contrário, mas também pelos painéis vídeo/LCD colocados nas vias rodoviárias, pode desencadear uma situação de enorme perigo.

 

Existem outros parâmetros de avaliação da visão que devem ser tidos em conta quando se vai conduzir: a acuidade visual, o contraste, a percepção das cores e da profundidade e o campo visual. Uma situação frequente de limitação do campo visual resulta, por exemplo, da colocação de painéis publicitários nas vias. O especialista chama ainda a atenção para o facto de a ingestão de medicamentos, o álcool e a sonolência influenciarem indiscutivelmente a visão e os reflexos.

 

Manuela Carmona, presidente da SPO, defende que “os problemas de visão podem estar na origem de acidentes de viação gravíssimos, uma variável que as autoridades ainda não conseguem controlar. Mas a segurança rodoviária depende muito dos comportamentos individuais de cada condutor pelo que cada um de nós deve assegurar-se de que a sua visão se encontra em perfeitas condições, procurando fazer revisões regulares junto do seu oftalmologista assistente, de forma a detectar precocemente doenças oculares”.
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.