Doenças do intestino incuráveis: tratamento mais próximo

Estudo publicado na revista “Inflammatory Bowel Diseases”

08 maio 2018
  |  Partilhar:
Uma equipa de investigadores descobriu uma molécula chave que está associada ao desencadeamento de crises de doenças do intestino incuráveis.
 
O achado que resultou de um estudo conduzido pela equipa da Universidade de Edimburgo, Escócia, poderá ajudar a explicar a causa subjacente a doenças como a colite ulcerosa e a doença de Crohn, assim como conduzir ao desenvolvimento de novos exames que ajudem os médicos a monitorizarem a doença e adaptarem os tratamentos a cada caso. 
 
Atualmente, não se conhece a causa da doença inflamatória do intestino (DII) e não há cura para a mesma. Segundo uma publicação online do Serviço Nacional de Saúde de 2016, calculava-se que esta doença afetasse cinco milhões de pessoas globalmente, e 20 mil em Portugal.
 
Para o estudo, a equipa analisou fatores associados às crises da doença através de análises ao sangue recolhidas de 97 pacientes com DII 
 
A equipa descobriu fragmentos minúsculos de ADN nas amostras de sangue dos pacientes, cuja presença era quase inexistente nas amostras de sangue de pessoas saudáveis. 
 
Aquelas moléculas, conhecidas como ADN mitocondrial (mtADN) encontram-se normalmente nas mitocôndrias, que são estruturas minúsculas no interior das células responsáveis por fornecerem energia às células.
 
Quando as mitocôndrias são danificadas em pessoas saudáveis, o mtADN é reciclado e expelido do organismo em segurança. No entanto, nas pessoas com DII, este processo é deficiente e o mtADN danificado acaba por passar da parte do intestino afetada para a corrente sanguínea. 
 
Segundo os investigadores, isto provoca uma resposta inflatória no sistema imunitário que reage como se estivesse a acorrer uma infeção. A inflamação por sua vez causa danos nos tecidos saudáveis, sendo a causa dos sintomas de DII.
 
As pessoas com a doença num estado mais severo apresentavam os níveis mais elevados de mtADN, o que sugere que a molécula poderá tornar-se num marcador para monitorizar o progresso da doença e o bloqueio da mesma poderia conduzir a tratamentos para prevenir crises da doença.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar