Doença Renal Poliquística é uma das doenças hereditárias mais frequentes

Alerta da Sociedade Portuguesa de Nefrologia

08 maio 2014
  |  Partilhar:

A Doença Renal Poliquística (DRP), também conhecida como Síndrome Renal Poliquística é uma doença hereditária, de carácter progressivo, que afeta cerca de uma em cada 3000 pessoas.
 

Esta doença caracteriza-se pela presença de vários quistos nos rins. “Os quistos renais são dilatações dos tubos renais. Os rins são constituídos por milhões de nefrónios e cada nefrónio é constituído por uma cápsula ligada a um tubo”, explicou, a nefrologista e vice-presidente da Sociedade Portuguesa de Nefrologia (SPN), Fernanda Carvalho
 

“A doença é, na maior parte dos casos, silenciosa e não manifesta sintomas, pelo que as pessoas com rins poliquísticos não apresentam qualquer queixa. No entanto, cólicas renais, dor lombar, sangue na urina ou infeções urinárias são alguns dos sinais a que se deve ter atenção”, refere a nefrologista.
 

De acordo com o comunicado enviado pela SPN, a Doença Renal Poliquística pode ser Autossómica Dominante (DRPAD) ou Autossómica Recessiva. A Doença Renal Poliquística Autossómica Dominante tem, geralmente, início tardio e caracteriza-se pelo desenvolvimento progressivo de quistos renais e pelo aumento bilateral dos rins.
 

Habitualmente, os doentes com DRPAD desenvolvem insuficiência renal crónica a partir dos 60 anos. A Doença Renal Autossómica Recessiva é mais rara e pode causar a morte do feto ainda no útero ou do bebé durante o primeiro mês de vida. Os sinais e sintomas da doença são aparentes logo no nascimento ou na primeira infância.
 

A Doença Renal Poliquística não tem cura e os tratamentos disponíveis atualmente visam, essencialmente, reduzir o risco de doença cardiovascular nos doentes e impedir a evolução da insuficiência renal, atrasando o início da diálise. “O controlo da tensão arterial e os cuidados com a alimentação são essenciais para controlar a doença”, alerta a nefrologista.
 

Em Portugal, estima-se que cerca de 800 mil pessoas deverão sofrer de doença renal crónica. A progressão da doença é muitas vezes silenciosa, o que leva o doente a recorrer ao médico tardiamente, já sem qualquer possibilidade de recuperação.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.