Doença hepática: novos alvos terapêuticos?

Estudo publicado na revista “Cell”

05 agosto 2014
  |  Partilhar:
O ritmo circadiano está envolvido no controlo de algumas das funções metabólicas do fígado. O estudo agora publicado na revista “Cell” revela dois novos mecanismos através dos quais este processo ocorre e que podem ajudar no desenvolvimento de novos tratamentos para doença hepática e doenças metabólicas, como a obesidade e diabetes. 
 
Neste estudo, os investigadores da Universidade da Califórnia, nos EUA, constataram que as duas proteínas associadas ao ritmo circadiano, a SIRT1 e a SIRT6, controlam processos hepáticos importantes, incluindo o armazenamento de lípidos e a utilização de energia nas células hepáticas, de uma forma única e independente.
 
O ritmo circadiano controla funções fisiológicas em praticamente todos os organismos. Os relógios biológicos são sistemas de controlo do tempo intrínsecos do organismo que antecipam alterações ambientais e que se adaptam ao momento adequado do dia. As alterações que ocorrem nestes ritmos podem influenciar profundamente a saúde humana. Até 15% dos genes são regulados pelo ritmo circadiano e quase 50% dos genes envolvidos em vias metabólicas no fígado são influenciados por estes ritmos. 
 
A SIRT1 e a SIRT6 pertencem a um grupo de proteínas que participam no controlo epigenético do genoma e ajudam a regular processos biológicos importantes, desde a manutenção da saúde celular ao armazenamento de lípidos. 
 
De forma a descobrir como as proteínas SIRT1 e SIRT6 funcionavam independentemente uma da outra, os investigadores, liderados por Paolo Sassone-Corsi, realizaram experiências em ratinhos que não expressavam a SIRT1 ou a SIRT6.
 
Os investigadores constataram que estas duas proteínas estão envolvidas no controlo de domínios genómicos distintos, o que resulta numa divisão das vias metabólicas e das funções fisiológicas. 
 
Os autores do estudo concluem que estes resultados podem facilitar o desenho de estratégias farmacológicas que tenham por alvo as funções e patologias associadas a cada uma destas proteínas.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.