Doença cardíaca: combinação de fármacos é benéfica

Estudo publicado no “JAMA”

06 setembro 2013
  |  Partilhar:

A combinação de fármacos utilizados nos tratamentos da pressão arterial, colesterol e controlo das plaquetas pode ser mais benéfica para os pacientes com ou em risco de doença cardíaca, comparativamente com a terapia preventiva habitual, sugere um estudo publicado no “JAMA”.
 

Neste estudo, os investigadores do Imperial College London, no Reino Unido, contaram com a participação de 2.004 pacientes oriundos da Índia e da Europa, os quais sofriam, ou estavam em risco de sofrer, de doença cardíaca.
 

Todos os pacientes foram divididos em dois grupos. Num dos grupos, os pacientes foram submetidos a um tratamento com uma dose fixa da combinação de aspirina, estatina e dois agentes capazes de baixar a pressão arterial, enquanto no outro, os pacientes continuaram a fazer a medicação habitual.
 

Os investigadores revelaram que no início do estudo, a média de pressão arterial era de 137/78 mmHg e o colesterol LDL era 91.5 mg/dL. Adicionalmente, 1.233 dos participantes revelaram tomar antiplaquetários, estatina ou dois ou mais medicamentos para diminuir a pressão arterial. Todos os participantes foram acompanhados ao longo de uma média de 15 meses.
 

O estudo apurou que 829 dos 961 indivíduos incluídos no grupo de tratamento com uma dose fixa da combinação de fármacos aderiram à medicação, comparativamente com os 621 dos 960 integrados no grupo que fazia a medicação habitual. No final do período de acompanhamento foi constatado que os valores da pressão arterial sistólica e do colesterol LDL eram significativamente mais baixos nos participantes do primeiro grupo, quando comparados com os do grupo de controlo.
 

“Estes dados sugerem que esta combinação fixa de fármacos poderá desempenhar um papel importante no aumento da toma de estatinas, aspirina e na combinação de fármacos para diminuir a pressão arterial, em pacientes com doença cardiovascular”, revelaram, em comunicado de empresa, os autores do estudo.
 

“O alargamento do acesso de fármacos do foro cardiovascular está na linha dos objetivos da Índia, Europa e EUA para a prevenção das doenças cardiovasculares e poderá contribuir para os objetivos da Organização Mundial de Saúde no que diz respeito ao controlo de doenças não infeciosas”, acrescentaram os investigadores.
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.