Diversidade alimentar torna intestinos mais saudáveis

Estudo apresentado na “IFT 15” em Chicago

20 julho 2015
  |  Partilhar:

A perda de diversidade alimentar durante os últimos 50 anos pode ter contribuído para o aumento da obesidade, diabetes tipo 2, problemas gastrointestinais e outras doenças, de acordo com o vice-presidente e responsável científico da MicroBiome Therapeutics.
 

De acordo com Mark Heiman, em comunicação apresentada na “IFT15: Where Science Feeds Innovation”, em Chicago, EUA, a dieta é o principal regulador do microbioma gastrointestinal, o ecossistema do trato gastrointestinal humano. O microbioma contém biliões de bactérias (flora intestinal) numa solução de macronutrientes não absorvidos e micronutrientes. A flora intestinal utiliza os restos da digestão para criar novas moléculas sinalizadoras que permitem à flora comunicar com o sistema metabólico e regulador do aparelho gastrointestinal.
 

A flora intestinal necessita de uma dieta diversificada para funcionar corretamente. No entanto, as práticas agrícolas atuais, bem como as alterações climáticas contribuíram para uma perda dessa diversidade. Apenas cerca de 75% da população mundial consome apenas cinco espécies de animais e 12 espécies de plantas. Destas 12, arroz, milho e trigo contribuem para 60% das calorias totais ingeridas.
 

"Como qualquer ecossistema, o que é mais diversificado em espécies é o que vai ser o mais saudável. Em quase todas as doenças estudadas até à data, o microbioma perdeu diversidade”, explicou Mark Heiman.
 

Neste estudo, os investigadores constaram que os indivíduos com pré-diabetes e diabetes tipo 2 tinham um microbioma diferente das pessoas saudáveis. Posteriormente, os cientistas desenvolveram o NM504, uma formulação de insulina, betaglucano e antioxidantes, w testaram-na em 30 indivíduos. Esta formulação foi administrada, duas vezes por dia, a metade dos participantes, enquanto a outra metade recebeu um placebo.
 

Os participantes aos quais foi administrado a NM504 apresentaram uma alteração no microbioma e,, consequentemente benefícios para a saúde, como um melhor controlo da glucose, aumento da saciedade e alívio da obstipação.
 

Os investigadores desenvolveram também uma outra formulação, a MT303, derivada de vagens de soja inteiros, e verificaram que também esta alterava a composição do microbioma e era benéfica para a saúde de ratinhos obesos, uma vez que os protegia da inflamação do cólon e diminuía o aumento de peso.
 

De acordo dos investigadores, estes resultados sugerem que alterações dietéticas podem ser benéficas para a saúde das pessoas.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.