Dispositivos móveis detetam convulsões perigosas em pacientes epiléticos

Estudo publicado na revista “Epilepsia”

03 novembro 2017
  |  Partilhar:
Um novo estudo indicou que os dispositivos móveis para usar no pulso poderão melhorar a deteção e caracterização das convulsões nos pacientes com epilepsia.
 
O vídeo eletroencefalograma (vídeo EEG) é o método, por excelência, de monitorização das convulsões epiléticas. No entanto, este exame é apenas acessível em unidades de monitorização, tornando-se assim um método que não é prático na vida do dia-a-dia.
 
A morte súbita inesperada em epilepsia (SUDEP, na sua sigla em inglês) é rara, mas constitui a causa mais comum de morte por epilepsia e ocorre frequentemente durante a noite.
 
No sentido de identificar melhores métodos de monitorização das convulsões, uma equipa de investigadores liderada por Giulia Regalia e Francesco Onorati, da empresa Empatica Inc. em Milão, Itália e em Cambridge, EUA, analisou três diferentes pulseiras de monitorização que gravavam dois sinais: atividade eletrodermal e sinais de acelerómetro.
 
Aqueles sinais normalmente mostram alterações quando se iniciam crises convulsivas. As pulseiras captaram 5.928 horas de dados de 69 pacientes, que incluíram 55 crises convulsivas registadas em 22 pacientes.
 
Os detetores em forma de pulseira demonstraram uma enorme sensibilidade (foram detetadas 95% das convulsões) e mantiveram o número de falsos alarmes a um nível sustentável (cerca de um falso alarme a cada quatro dias).
 
Adicionalmente, o método disponibilizou algumas características das convulsões que poderão ajudar a alertar os médicos e os pacientes para as convulsões potencialmente perigosas e que poderão por a vida em risco. 
 
Este trabalho oferece melhorias significativas na deteção de crises convulsivas tanto em ambientes clínicos como de ambulatório”, disse Giulia Regalia.
 
A investigadora ressalvou que estas pulseiras podem igualmente proteger contra o risco da SUDEP e não exigem que o prestador de cuidados esteja sempre junto do paciente, o que promove a qualidade de vida tanto do paciente como do prestador de cuidados.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar