Dispositivos móveis associados a atrasos na fala em bebés

Estudo apresentado na Conferência das Associações Académicas Pediátricas 2017

09 maio 2017
  |  Partilhar:
Um novo estudo indicou que quanto mais tempo as crianças com menos de dois anos de idade passam com dispositivos móveis, maior é a possibilidade de terem atrasos na fala.
 
O estudo apresentado na edição de 2017 da Conferência das Associações Académicas Pediátricas, EUA, foi efetuado na sequência do crescimento cada vez maior de “smartphones”, “tablets”, jogos eletrónicos e outros ecrãs que podem ser manuseados, em casa, que se tem verificado nos últimos anos.
 
Para o estudo conduzido por uma equipa de investigadores liderada por Catherine Birken, pediatra e investigadora no Hospital for Sick Children (SickKids), Canadá, contou com a participação de 894 crianças com idades compreendidas entre os 6 meses e os 2 anos e que faziam parte de uma rede de estudos de Toronto, Canadá, denominada TARGet Kids, entre 2011 e 2015.
 
Na consulta dos 18 meses, segundo os pais 20% das crianças passavam em média 28 minutos com dispositivos móveis. 
 
Os investigadores usaram uma ferramenta de rastreio para verificar atrasos na linguagem. Foi observado que quanto mais tempo as crianças passavam com os dispositivos móveis, maior era a probabilidade de apresentarem atrasos no discurso expressivo. Por cada aumento de 30 minutos com um dispositivo móvel, as crianças apresentavam um acréscimo de 49% de atraso no discurso expressivo.
 
A equipa não encontrou uma associação entre o uso de dispositivos móveis e outros atrasos na comunicação, tal como interações sociais, linguagem ou gestos corporais.
 
“Apesar de as novas linhas orientadoras da pediatria sugerirem limitar o tempo passado com ecrãs nos bebés e crianças pequenas, acreditamos que o uso de “smartphones” e “tablets” por crianças pequenas se tenha tornado comum”, avançou Catherine Birken.
 
A investigadora acrescentou ainda que os resultados suportam uma recomendação recente da Associação Americana de Pediatria que desencoraja o uso de qualquer tipo de media em bebés com menos de 18 meses. 
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentar