Direcção-Geral de Saúde confirma primeiro caso de pneumonia atípica em Portugal

Cientistas encontram bactéria suspeita

06 abril 2003
  |  Partilhar:

O primeiro caso de pneumonia atípica em Portugal, uma doença altamente contagiosa que já vitimou mortalmente 93 pessoas em todo o mundo, foi detectado em Lisboa, revela hoje o Diário de Notícias, citando o subdirector-geral de Saúde.
 

 

Segundo Francisco George, a doente com síndroma respiratória aguda severa (SRAS) está internada há dez dias num hospital da capital portuguesa e a sua situação «está a evoluir favoravelmente», pelo que deverá receber alta «dentro de alguns dias».
 

 

De acordo com o DN, a paciente portuguesa esteve em viagem em Hong Kong, uma das zonas mais afectadas pela epidemia, onde já foram detectados 842 casos, provocando a morte a 22 pessoas, segundo os números da Organização Mundial de Saúde.
 

Francisco George acrescentou ainda ao jornal que o primeiro caso português é «isolado», não havendo qualquer cadeia de transmissão local da doença.
 

 

Bactéria suspeita
 

 

Os cientistas chineses admitem que a bactéria clamídia constitui um dos principais agentes patogénicos na pneumonia atípica, que causou 83 mortos em 2.500 casos por todo o mundo, revelaram responsáveis da Organização Mundial de Saúde (OMS).
 

 

Os investigadores chineses relataram aos técnicos da OMS em Cantão que aquela bactéria foi encontrada em cada um dos doentes com síndrome respiratória aguda (SAR), vulgarmente conhecida como pneumonia atípica, uma doença altamente contagiosa.
 

 

A pneumonia atípica apareceu, pela primeira vez, na cidade de Foshan, no Sul da província de Guangdong (sul da China). A descoberta dos cientistas chineses permite encarar a hipótese da doença poder ser causada pela bactéria, que agiria em concertação com um outro agente patogénico - o coronavírus.
 

 

Li Liming, director do centro chinês para a prevenção e vigilância de doenças, disse à Agência Nova China que as pesquisas se concentram num «tipo de clamídia» que poderá ser uma clamídia em mutação.
 

 

«O agente é claramente semelhante à clamídia, mas não se trata da clamídia comum, que causa habitualmente a pneumonia, o tracoma ou ornitose», explicou Li à agência chinesa.
 

 

Em numerosos casos de SAR, os laboratórios identificaram o que parece ser uma nova variedade de coronavírus, suspeita de constituir um dos principais agentes patogénicos, revelaram os especialistas da OMS em Cantão.
 

 

Fonte: Lusa
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.