Dimensão do investimento trava realização de transplantes de útero e rosto

Declarações da Sociedade Portuguesa de Transplantação

20 novembro 2015
  |  Partilhar:
Portugal tem capacidade técnica para a realizar transplantes de útero e do rosto, mas ainda não os realiza devido à dimensão do investimento que exige, revelou o presidente da Sociedade Portuguesa de Transplantação (SPT).
 
O transplante de útero já se realiza há alguns anos, tendo uma mulher, de 36 anos e nacionalidade sueca, dado à luz em 2014 depois de ter recebido um transplante de útero, de acordo com o estudo publicado na revista “The Lancet”. 
 
Na segunda-feira passada, foi revelado o resultado do transplante de rosto mais completo até hoje. Trata-se de Patrick Hardison, 41 anos, um bombeiro do Mississippi, nos Estados Unidos, que ficou com o rosto queimado no combate a um incêndio. O paciente recebeu um rosto novo, couro cabeludo, orelhas, lábios, nariz e pálpebras.
 
“São situações que ainda têm de ser consideradas no domínio da experimentação, esporádicas, dada a sua complexidade enorme”, disse à agência Lusa, Fernando Macário, acrescentando que em Portugal não existe nenhuma equipa a pensar fazer isso.
 
“Não que não exista capacidade técnica para isso, mas o investimento é tão grande e complexo que existem muitas outras áreas prioritárias”, adiantou.
 
A propósito do Fórum Aberto Sobre Transplantação de 2015, uma iniciativa da SPT que decorre hoje e sábado, Fernando Macário sublinhou a “melhoria significativa nos últimos dois anos, em termos de colheita de órgãos”.
 
De acordo com o presidente da SPT, “os órgãos que existem não são suficientes”, apesar de uma melhoria significativa nos últimos dois anos.
 
Fernando Macário lamenta que, apesar do aumento da taxa de colheita de órgãos por milhão de habitantes, existam outros problemas, como o facto dos novos dadores terem cada vez mais idade. Assim, “muitas vezes vamos fazer colheita de órgão de pessoas já com patologias e nem todos os órgãos podem ser utilizados”, adiantou. 
 
Fernando Macário dá o exemplo dos rins, que é o “mais flagrante”, uma vez que entre 20 a 30% dos rins colhidos “não podem ser utilizados porque já têm patologia que não permite serem colocados nas pessoas que precisam deles”.
 
“Temos, por um lado, um aumento da colheita, mas que não é suficiente para todos os doentes que se vão acumulando na lista de espera”, adiantou.
 
A lista de espera para transplante de rim era de 1.970 pessoas no final de 2014 e, destas, 43 morreram à espera. 
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.