Dieta vegetariana associada a menor risco de cancro colorretal

Estudo publicado na “JAMA Internal Medicine”

16 março 2015
  |  Partilhar:
Um novo estudo indica que seguir dieta vegetariana poderá fazer diminuir o risco de cancro colorretal, sendo o benefício ainda maior em pessoas que seguem uma dieta pescovegetariana.
 
Para o estudo, Michael Orlich, professor assistente de medicina preventiva na Universidade Loma Linda, EUA, e colegas contaram com a participação de cerca de 77 mil homens e mulheres que tinham integrado um estudo sobre saúde. Metade dos participantes foi classificada como sendo não-vegetariana, ou seja, consumia carne pelo menos uma vez por semana. A outra metade do grupo foi dividida em subgrupos: adeptos de uma dieta semivegetariana (que consumiam carne menos de uma vez por semana), seguidores de uma dieta pescovegetariana (consumidores de pescado e marisco mas não de outros tipos de carne), ovolactovegetarianos (não-consumidores de carne, mas que incluíam ovos e produtos lácteos na dieta) e os vegans (não consumidores de carne, ovos ou produtos lácteos). 
 
Durante os sete anos de seguimento do estudo, registaram-se 380 casos de cancro do cólon e 110 casos de cancro do reto nos participantes.
 
Segundo o autor principal do estudo, a equipa apurou que “os vegetarianos apresentavam uma redução de 22% no risco de desenvolvimento de cancro colorretal, em comparação com os não-vegetarianos”. Individualmente, observou-se o decréscimo de 29% no risco de cancro do reto e de 19% para o cancro do cólon neste grupo em comparação com os não-vegetarianos. 
 
No entanto, para os seguidores de uma dieta pescovegetariana, a redução do risco de cancro colorretal ascendeu aos 43%, comparativamente com os não-vegetarianos. Para os ovolactovegetarianos o decréscimo foi de 18%, para os vegans de 16% e para os semivegetarianos foi de 8%.
 
“A dieta constitui uma abordagem potencialmente importante na redução do risco de desenvolvimento do cancro colorretal”, comenta Michael Orlich. “Os esforços de rastreio, incluindo a colonoscopia, têm ajudado a salvar muitas vidas através da deteção de pólipos pré-cancerígenos”, continua. “Contudo, é melhor prevenir a formação de cancros, em primeiro lugar. Chamamos a isto prevenção primária”. 
 
“Os nossos vegetarianos não só consumiam menos carne do que os não-vegetarianos, mas também menos doces, barras de cereais e similares, farinhas refinadas e bebidas altamente calóricas”, acrescentou ainda. E consumiam “mais fruta, legumes, farinhas integrais, leguminosas e frutos de casca rija”, concluiu.
 
Apesar de não se saber a razão de uma dieta vegetariana promover o decréscimo no risco de cancro colorretal, a adoção de uma dieta mais rica em vegetais e mais pobre em carne poderá ser benéfica.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.