Dieta rica em gorduras: como reage o organismo?

Estudo publicado na revista “Gut”

02 maio 2012
  |  Partilhar:

Uma dieta rica em gordura causa alterações na flora intestinal, a qual determina o modo como o organismo desenvolve certas doenças metabólicas como a diabetes, dá conta um estudo publicado na revista científica “Gut”.

 

A flora intestinal é o nome dado ao conjunto de bactérias que habitam o trato digestivo. Na verdade existem cerca de mil de espécies de bactérias diferentes, as quais são, em parte, alimentadas pelos produtos alimentares que as pessoas ingerem. Cada indivíduo tem assim uma flora intestinal e um metabolismo específicos, que diferem consoante os hábitos alimentares adotados.

 

Para este estudo os investigadores da Université Toulouse III, na França, decidiram investigar de que modo a dieta rica em gorduras afetava a flora intestinal de ratinhos que tinham uma idade e background genético idênticos. O estudo constatou que maioria dos animais desenvolveu diabetes embora permanecesse magro, enquanto os outros permaneceram magros, mas desenvolveram esta doença.

 

Para tentar perceber o motivo destas diferenças e para confirmar a teoria de que a flora intestinal afeta a forma como o organismo reage à dieta rica em gorduras, os investigadores liderados por Rémy Burcelin, analisaram o perfil microbiano dos dois grupos de animais, ou seja, os que tinham ou não desenvolvido diabetes.

 

O estudo revelou que havia diferenças na quantidade de bactérias da flora intestinal dos dois grupos de ratinhos. Enquanto a flora intestinal dos ratinhos diabéticos era constituída, maioritariamente, por bactérias do filo “Bacteroidetes”, a dos animais que não tinham desenvolvido diabetes continha um maior número de bactérias do filo “Firmicutes“.

 

De forma a tentar perceber se a flora microbiana era a causa ou o resultado da doença metabólica, os investigadores modificaram a flora intestinal de um grupo de ratinhos através da adição de fibras e oligossacarídeos à dieta.

 

“Com a adição destas fibras conseguimos modelar a maioria das características fisiológicas. O metabolismo destes animais tornou-se similar aos dos ratinhos magros e não diabéticos. Contudo, a flora intestinal destes animais tratados com fibras alterou-se bastante em comparação com os animais dos outros grupos”, revelou em comunicado de imprensa o investigador.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.