Dieta mediterrânica ajuda na prevenção da depressão

Estudo publicado no “Archives of General Psychiatry”

08 outubro 2009
  |  Partilhar:

A dieta mediterrânica, um regime alimentar rico em frutas, legumes, cereais integrais, peixes e nozes, e que se sabe estar relacionado com a redução do risco de desenvolvimento do cancro e de doenças cardiovasculares, poderá também ajudar na prevenção da depressão, sugere um artigo publicado nos “Archives of General Psychiatry”.

 

Os investigadores da Universidad de Las Palmas e da Universidad de Navarra, em Espanha, contaram com a participação de mais de 10 mil adultos saudáveis, aos quais foi solicitado o preenchimento de um questionário sobre a sua dieta. A adesão à dieta mediterrânica foi medida tendo em conta nove parâmetros, nomeadamente uma baixa ingestão de carne, uma ingestão moderada de álcool e de produtos lácteos e uma elevada ingestão de frutas, cereais, legumes e peixes.

 

Após terem acompanhado os participantes durante cerca de quatro anos, os investigadores identificaram 480 casos de depressão, 156 em homens e 324 em mulheres. Em comparação com os indivíduos que não adoptaram a dieta mediterrânica, os que a adoptaram apresentaram um risco 30% menor de desenvolver depressão. Foi também verificado que a inclusão de determinados alimentos na dieta, nomeadamente frutas, legumes e azeite, estava associada a uma menor taxa de depressão.

 

Segundo o líder do estudo, Martinez-Gonzalez, existem várias explicações para este efeito protector da dieta mediterrânica. Um deles prende-se com o facto de o azeite promover a ligação da serotonina, um neurotransmissor que tem um papel-chave na depressão, aos seus receptores. Por outro lado, os ácidos gordos ómega-3 que se encontram em alguns peixes podem também ajudar no funcionamento do sistema nervoso central. Todos estes mecanismos podem melhorar o funcionamento cerebral e contribuir para que ele tenha uma maior resistência para enfrentar os problemas diários e para ajudar a controlar o stress.

 

No entanto, Martinez-Gonzalez não recomenda às pessoas que sofrem de depressão a tratá-la com a adopção desta dieta. O líder do estudo alerta para o facto de a adopção desta dieta poder ter um papel importante na prevenção, mas não no tratamento da depressão.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.
 

 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.