Dieta mediterrânea pode ajudar a proteger contra a doença renal crónica

Estudo publicado no “Clinical Journal of the American Society of Nephrology”

04 novembro 2014
  |  Partilhar:

A adoção de uma dieta mediterrânea poderá diminuir o risco de desenvolvimento de doença renal crónica, defende um estudo publicado no “Clinical Journal of the American Society of Nephrology”.
 

A doença renal crónica é uma epidemia crescente e, apesar de terem ocorrido progressos significativos na proteção contra a doença e a sua progressão através do tratamento agressivo dos fatores de risco, como hipertensão e diabetes, muitos indivíduos ainda sofrem de declínio da função renal com a idade.
 

Por outro lado, a dieta mediterrânica tem sido associada a vários benefícios para a saúde. Estudos recentes demonstraram que quando esta dieta era suplementada com frutos secos ou azeite, ajudava a reverter a síndrome metabólica. Outros estudos associaram a adoção desta dieta à redução do risco de acidente vascular cerebral, enfarte agudo do miocárdio, doença arterial periférica, diabetes e cancro. Há também uma evidência crescente que a doença renal está associada a uma alimentação pobre.
 

Assim, neste estudo, os investigadores da Universidade da Columbia, nos EUA, decidiram averiguar quais os efeitos da dieta mediterrânica na doença renal crónica, tendo para tal acompanhado 900 indivíduos ao longo de quase sete anos. A adesão dos participantes à dieta foi quantificada. Assim, aqueles que aderiram mais a esta dieta obtiveram pontuações mais elevadas.
 

O estudo apurou que os participantes que obtiveram cinco ou mais pontos, ou seja, aqueles que apresentaram grande adesão à dieta, apresentaram um risco 50% menor de desenvolver doença renal crónica e um risco 42% menor de terem um declínio rápido da função renal, comparativamente com os que tinham uma fraca adesão à dieta.  
 

Os investigadores verificaram ainda que cada ponto adicional de adesão à dieta estava associado a um risco 17% menor de desenvolver doença renal crónica.
 

“Apesar de este ser um objetivo simples, atingir isto pode ser um desafio. Precisamos de começar a encarar a realidade de que não há nenhum remédio mágico ou alimentação milagrosa, temos que ser vigilantes e ter disciplina tanto a nível da prática de exercício físico como no tipo de dieta adotada”, conclui Julie Lin, do Brigham and Women's Hospital em Boston, nos EUA.
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.