Dieta diversificada enriquece flora intestinal

Estudo publicado na revista “Molecular Metabolism”

21 março 2016
  |  Partilhar:

A saúde fica comprometida quando se ingere uma menor diversidade de nutrientes, devido ao seu efeito na riqueza da população microbiana do intestino, defende um estudo publicado na revista “Molecular Metabolism”.
 

Os investigadores do MicroBiome Therapeutics e da Universidade do Estado de Luisiana, nos EUA, referem que ao longo dos últimos 50 anos a redução da agrodiversidade diminuiu a diversidade dietética.
 

Os indivíduos saudáveis têm uma flora intestinal diversificada. Na verdade, muitas das doenças do século XXI, incluindo a diabetes tipo 2, obesidade e doença inflamatória do intestino, estão associadas a uma redução da riqueza da flora intestinal.
 

A flora intestinal funciona como um órgão endócrino, que metaboliza determinados nutrientes presentes na dieta e produz substâncias específicas que atuam como sinais metabólicos no hospedeiro. Desta forma, as dietas altamente especializadas alteram a flora intestinal ao longo do tempo. Na verdade, demora apenas alguns dias até que a alteração da dieta tenha efeito na composição da flora intestinal. Caso a dieta envolva a eliminação de um ou mais macronutrientes, como é o caso da dieta Atkins, Paleolítica ou vegan, está-se a essencialmente selecionar algumas espécies microbióticas em detrimento de outras.
 

Os autores do estudo, Mark Heiman e Frank Greenway, explicam que a riqueza da diversidade das espécies do microbioma afeta não só a disponibilidade de nutrientes, como também a diversidade de diferentes tipos de sinais entre o intestino e o resto do organismo, que pode afetar tanto a saúde como a doença.
 

Um dos exemplos é um composto, a fosfatidilcolina, que pode ser encontrado em alimentos como marisco, ovos, leite, carne vermelha e aves de capoeira, que as bactérias intestinais convertem em trimetilamina. A trimetilamina é absorvida pelo hospedeiro e oxida, formando-se um outro composto, denominado trimetilamina-N-óxido, que está associado à aterosclerose.
 

Contudo, se a dieta incluir alimentos comuns às dietas mediterrânicas, como o vinagre balsâmico, vinho tinto ou azeite extra virgem prensado a frio, o organismo irá também receber um inibidor da produção da trimetilamina.
 

Os investigadores concluem que a diversidade microbioma é fundamental. Os microrganismos produzem uma grande variedade de moléculas para o hospedeiro. Se esta variedade for aumentada, há uma grande variedade de respostas fisiológicas, o que permite uma adaptação mais fácil.
 

Mark Heiman e Frank Greenway propõem que o futuro da medicina personalizada das doenças metabólicas pode estar na compreensão de como os componentes específicos de uma dieta afetam a flora intestinal de um indivíduo.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.