Diabetes tipo 2 produz alterações na memória

Estudo publicado na revista “Neurology”

13 julho 2015
  |  Partilhar:
Em apenas dois anos, os indivíduos com diabetes tipo 2 são alvo de alterações negativas na capacidade de regular o fluxo sanguíneo para o cérebro, o que está associado a pontuações mais baixas nos testes de avaliação de capacidades cognitivas e de realização de atividades diárias, dá conta um estudo publicado na revista “Neurology”.
 
“A regulação do fluxo sanguíneo permite ao cérebro redistribuir o sangue para áreas que apresentam atividade aumentada, enquanto desempenham determinadas tarefas. Os indivíduos com diabetes tipo 2 têm problemas na regulação deste fluxo. O nosso estudo sugere que a diabetes e o açúcar no sangue impõem um efeito negativo crónico nas capacidades cognitivas e na tomada de decisões”, revelou, em comunicado de imprensa, uma das autoras do estudo, Vera Novak.
 
Para o estudo os investigadores da Escola de Medina de Harvard, nos EUA, contaram com a participação de 40 indivíduos com uma média de 66 anos, 19 dos quais com diabetes tipo 2. Os pacientes com diabetes estavam a ser tratados há cerca de 13 anos. Os participantes foram submetidos, no início do estudo e dois anos mais tarde, a testes de memória e cognitivos, ressonâncias magnéticas para avaliação do volume cerebral e fluxo sanguíneo e ainda a testes sanguíneos para medição dos níveis de glucose e inflamação. 
 
O estudo apurou que, após dois anos, os indivíduos com diabetes apresentavam uma diminuição na capacidade de regular o fluxo sanguíneo no cérebro. Verificou-se ainda que estes pacientes tinham pontuações mais baixas nos testes de memória e raciocínio. Os indivíduos com uma menor capacidade de regular o fluxo sanguíneo no início do estudo apresentavam um maior declínio no desempenho de atividades diárias.
 
Os investigadores verificaram que níveis mais elevados de inflamação foram associados a uma diminuição da regulação do fluxo sanguíneo, incluindo aqueles com um bom controlo da diabetes e da pressão arterial. 
 
Nos testes de aprendizagem e memória, as pontuações dos indivíduos com diabetes diminuíram 12%, de 46 para 41 pontos ao longo dos dois anos de estudo, enquanto as pontuações dos indivíduos saudáveis permaneceram inalteradas nos 55 pontos. A regulação do fluxo sanguíneo nestes pacientes diminuiu em 65%.
 
Vera Novak conclui que a deteção precoce e a monitorização da regulação do fluxo sanguíneo pode ajudar a prever as alterações aceleradas que ocorrem nas capacidades cognitivas e na tomada de decisões. 
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.