Detetar e tratar doenças com menos custos em foco em conferência de nanomedicina

Congresso NanoMed Europe2019 em Braga

17 junho 2019
  |  Partilhar:
Uma "cápsula" para diagnosticar e simultaneamente tratar doenças, técnicas para detetar cancros e tratá-los "à medida" e com menos custos são algumas das capacidades da nanomedicina apresentadas no NanoMed Europe2019, em Braga.
 
O evento acontece no Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia (INL), em Braga, entre 17 e 19 de junho, contando com mais de 300 participantes de 30 países, entre cientistas, fornecedores de tecnologia, empresários, médicos e decisores políticos.
 
Em declarações à Lusa, Manuel Banobre, investigador e um dos organizadores, explicou que a nano medicina tem vantagens clínicas, de diagnóstico, de alívio da dor e de custos, mas que ainda "emperra" na passagem dos laboratórios para a prática clínica pelo "excesso de burocracia" e exigências técnicas.
 
Segundo acredita o investigador, a nanomedicina pode mudar a forma como se encontra, trata e se vive com a doença, provocando “uma revolução no sistema de saúde tal como se conhece agora”, na procura de sistemas de diagnóstico e tratamento mais eficientes, que permitam um “tratamento mais específico” de certas doenças com “efeitos secundários gravosos".
 
Além dos benefícios médicos e de bem-estar, o investigador realçou a mais-valia para a sustentabilidade dos sistemas de saúde: "Se se ajustar as doses, não só para serem mais eficazes, como para diminuir os efeitos secundários, vai-se poupar na quantidade de drogas e no tratamento dos efeitos secundários, que, na maior parte dos casos, é o que fica mais caro tratar.
 
"Ainda não conseguindo isso, vamos conseguindo tratamentos mais eficazes pelo facto de dirigir o medicamento ao seu alvo, como se tivesse um GPS", apontou.
 
Com isto, "será possível reduzir os dias de internamento do doente, a dor e isso terá como vantagem libertar verbas".
 
Quanto ao diagnóstico, Manuel Banobre salientou que a nanomedicina se está a debruçar no "desenvolvimento de técnicas não invasivas de diagnóstico, imagens clínicas, diagnósticos precoces, mais precisos, com mais contraste, por exemplo, nas tecnologias que envolvem imagem".
 
O NanoMed Europe2019, considerado o maior e "principal evento europeu de nanomedicina", pretende ainda "ajudar a preparar o ‘Horizon Europe’”, o próximo Programa de Trabalho da Comissão Europeia, a partir de 2021.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentar