Desenvolvimento embrionário: fases importantes podem ser agora visualizadas

Estudo publicado na “Nature Communications”

17 fevereiro 2012
  |  Partilhar:

Uma nova técnica permite visualizar as fases críticas do desenvolvimento embrionário, dá conta um estudo publicado na “Nature Communications”.

 

Desde há várias décadas que é possível desenvolver embriões em cultura a partir de uma única célula, o óvulo é fecundado dando origem ao blastocisto, um conjunto de 64 células provenientes das repetidas divisões da primeira célula. Em termos práticos isto permitiu o desenvolvimento das técnicas de fertilização in vitro que são utilizadas no mundo inteiro.

 

Esta técnica também permitiu que os cientistas aprendessem muito sobre as primeiras fases do desenvolvimento embrionário. Nos primeiros quatro dias é possível observar os eventos de desenvolvimento à medida que estes ocorrem, e em modelos animais, manipular a expressão de genes envolvidos no processo de modo a compreender melhor a suas funções.

 

Apesar de já serem relativamente bem conhecidos os eventos moleculares e celulares que dão origem aos três tipos de células que formam o blastocisto, o conhecimento dos eventos que sucedem esta fase crítica do desenvolvimento embrionário era, até ao momento, muito restrito.

 

Neste estudo, os investigadores da University of Cambridge, no Reino Unido, desenvolveram um método que lhes permitiu ultrapassar a barreira do processo do implante do blastocisto no útero, através do cultivo e gravação das imagens de embriões de ratinho fora do corpo da mãe, durante os primeiros oito dias do desenvolvimento.

 

As imagens desta fase crítica do desenvolvimento embrionário revelam o segredo da origem dos conjuntos de células extra embrionárias que indicam onde a cabeça do embrião se deve desenvolver. Desta forma os investigadores foram capazes de determinar que estas células tiveram origem numa ou duas células, na fase de blastocisto, e as células filhas agruparam-se numa parte do embrião antes de migarem todas para a posição onde sinalizaram o desenvolvimento da cabeça.

 

De acordo com a líder do estudo, Magdalena Zernicka-Goetz, “este método não só revelou os eventos que não eram até ao momento possíveis de visualizar, como também pode ter outras aplicações potencialmente importantes. Esta é uma fase do desenvolvimento, durante o qual as células estaminais expandem para formar a base sobre a qual se vai desenvolver todo o organismo.”

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.
 

Partilhar:
Classificações: 1 Média: 5
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.