Desenvolvida pastilha elástica contra as aftas

Investigadora portuguesa distinguida com Prémio Grünenthal/ASTOR 2015

04 fevereiro 2015
  |  Partilhar:

A investigadora Filipa Cosme Silva foi galardoada com o Prémio Grünenthal/ASTOR 2015 devido à criação de uma pastilha dissolúvel na boca, contra a dor em pacientes com mucosite oral.
 

De acordo com a investigadora, a pastilha, que contém um anestésico e um antifúngico, pretende dar "a maior comodidade possível" ao doente, com várias aftas na boca e dor associada durante muito tempo.
 

Filipa Cosme Silva disse à agência Lusa que a pastilha tem como objetivo substituir a solução líquida que atualmente se administra nos hospitais aos pacientes que sentem dificuldades em bocejar devido à dor.
 

A mucosite oral é uma inflamação na boca, caracterizada por várias aftas e dor prolongada, que surge em doentes com cancro, devido a tratamentos de radioterapia e quimioterapia, e em pacientes com problemas do aparelho digestivo.
 

A pastilha desenvolvida pela investigadora no âmbito da sua tese de mestrado, atualmente em fase de conclusão, na Faculdade de Farmácia de Lisboa, tem na sua composição o anestésico lidocaína e o antifúngico nistanina, além de água, gelatina, glicerina e goma-arábica.
 

"Dissolve-se mais lenta ou rapidamente, se o doente assim o entender", disse Filipa Cosme Silva, acrescentando que o paciente "pode deslocar a pastilha para onde tem mais dor".

 

No caso de doentes que perderam a capacidade de produzir saliva, como é o caso dos que se submeteram a quimioterapia ou radioterapia para tratar cancros na cabeça ou no pescoço, a pastilha estimula a salivação, disse a investigadora.
 

Filipa Cosme Silva adiantou que qualquer doença que provoque disfagia (dificuldade de deglutição) "pode beneficiar da pastilha". Contudo, as potencialidades do medicamento, que foi administrado a pessoas "mais ou menos saudáveis", apenas com "uma ou duas aftas", mas que se sentiram melhor, terão de ser ainda testadas em doentes.
 

A confirmar-se o seu sucesso no tratamento de pacientes, Filipa Cosme Silva pretende desenvolver, posteriormente, outras pastilhas, com outras substâncias ativas, como terapêutica para doenças do aparelho digestivo.
 

As conclusões do estudo que deram à investigadora o Prémio Grünenthal/ASTOR 2015 vão ser apresentadas, em março, num congresso de farmacêutica hospitalar em Hamburgo, na Alemanha.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.