Descoberto novo método de exterminação de células cancerígenas

Estudo publicado na revista “Cell”

12 julho 2013
  |  Partilhar:

Uma equipa de investigadores descobriu uma proteína, que se encontra presente apenas nas células cancerígenas, cujo bloqueio da função poderá resultar num novo fármaco, eficaz para o tratamento do cancro, deixando as células saudáveis intactas, refere um estduo publicado na revista "Cell".
 

Conduzido pela Universidade de Southampton, no Reino Unido, o estudo que levou a esta descoberta sugere que o desenvolvimento de um fármaco que tivesse por alvo o bloqueio desta nova proteína, denominada eEF2K (cinase do fator eucariótico de alongamento 2), poderia significar um tratamento sem reações adversas como as produzidas pela quimioterapia e radioterapia.
 

A componente celular eEF2K é fulcral para a sobrevivência das células cancerígenas. Segundo Chris Proud, o autor desta descoberta,  “as células cancerígenas crescem e dividem-se muito mais rapidamente do que as células saudáveis, o que significa que possuem uma necessidade muito maior de  nutrientes e oxigénio, encontrando-se muitas vezes privadas desses compostos”.
 

“A eEF2K desempenha um papel fundamental ao permitir que as células sobrevivam à falta de nutrientes, enquanto as células saudáveis não necessitam desta proteína para sobreviver”, continua o investigador. Sendo assim, se se bloquear a função desta componente celular, deveria ser possível exterminar as células cancerígenas sem causar danos às células saudáveis.
 

No presente, os métodos tradicionais de quimioterapia e de radioterapia utilizados acabam por danificar todas as células, incluindo as saudáveis.
 

Sendo que a presença da proteína eEF2K ocorre muito raramente nas células normais e saudáveis, o desenvolvimento de um tratamento que bloqueie esta proteína será algo inédito no tratamento futuro de pacientes oncológicos, preservando as células saudáveis.
 

O próximo passo da equipa de Chris Proud irá agora consistir em trabalhar com outros laboratórios e empresas farmacêuticas, no sentido de desenvolverem fármacos que possam efetivamente bloquear a proteína eEF2K.
 

Chris Proud dedica-se paralelamente ao estudo do papel das proteínas relativamente às origens do cancro, tendo afirmado o seguinte: “a síntese proteica, a produção de proteínas dentro das células, é um processo fundamental que permite o crescimento, divisão e função celular. Se correr mal, pode contribuir para o desenvolvimento de cancro. Estamos interessados em saber de que forma é que defeitos nesse processo podem causar cancros e outras doenças”.
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Classificações: 1 Média: 5
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.