Descoberto novo inibidor da inflamação

Estudo publicado na revista “Science”

22 novembro 2018
  |  Partilhar:
Uma equipa de investigadores desenvolveu uma molécula anti-inflamatória com um novo mecanismo de ação. 
 
Num estudo conduzido pela Equipa do Instituto Karolinska, com colaboração da Universidade de Uppsala e de Estocolmo, Suécia, e ainda da Universidade do Texas, EUA, os investigadores descobriram que ao inibirem a proteína, era possível reduzir os sinais que desencadeiam a inflamação.
 
O achado foi coliderado por Thomas Helleday, Torkild Visnes e Armando Cázares-Körner e é o resultado de muitos anos de pesquisa sobre a forma como o organismo repara o ADN.
 
Thomas Helleday avançou que a equipa desenvolveu “uma molécula com ação farmacológica na inibição da inflamação” que “atua sobre uma proteína que pensamos constituir um mecanismo geral para a forma como a inflamação surge nas células”. 
 
Um dos objetivos era combater o cancro, atuando sobre o ADN das células tumorais. A equipa conseguiu já vários avanços que conduziram, entre outros, a um novo tratamento para o cancro congénito da mama e do ovário através dos chamados inibidores PARP, que já está disponível há alguns anos. 
 
À serendipidade da descoberta unem-se os esforços destes investigadores no desenvolvimento de um inibidor da enzima OGG1. Sabe-se, que a proteína OGG1 é responsável pela reparação dos danos oxidativos ao nível do ADN e pelo desencadeamento de uma resposta inflamatória.
 
Portanto, o inibidor, pela sua ação mecanística, bloqueia a ativação da cascata inflamatória ao nível da libertação de proteínas inflamatórias como α-TNF (TNFa – Factor de Necrose Tumural, um grupo de citocinas com vasta ação pró-inflamatória) com papel relevante na patogénese da sépsis, da DPOC (Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica) e da asma severa.
 
Segundo Thomas Helleday esta substância ativa tem potencial para melhorar a evolução e o prognóstico de doenças muito graves. Conclui referindo-se à equipa, informando que irão desenvolver o seu inibidor da enzima OGG1 e analisar o proveito na cura ou alívio de sintomas, ao incluírem a molécula no tratamento de doenças de carácter inflamatório como a sépsis, a DPOC e a asma severa, na expectativa de melhorar a qualidade de vida desses doentes.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentar