Descoberto mecanismo anti-inflamatório na dieta e jejum

Estudo publicado na revista “Nature Medicine”

20 fevereiro 2015
  |  Partilhar:

Investigadores americanos descobriram que um composto produzido pelo organismo quando está em dieta ou jejum pode bloquear uma parte do sistema imunológico envolvido em várias doenças inflamatórias, como a diabetes tipo 2, aterosclerose e doença de Alzheimer, dá conta um estudo publicado na revista “Nature Medicine”.
 

No estudo, os investigadores da Universidade de Yale, nos EUA, descreveram como o composto beta-hidroxibutirato inibe diretamente o NLRP3, uma parte de um conjunto de proteínas complexas conhecidas por inflamasoma. O inflamasoma controla a resposta inflamatória em várias doenças, incluindo doenças autoimunes, como a diabetes tipo 2 e a doença de Alzheimer.
 

“Estes achados são importantes uma vez que os metabolitos endógenos, como o beta-hidroxibutirato, que bloqueiam o inflamasoma NLP3 poderiam ser relevantes para várias doenças inflamatórias, incluindo aquelas onde ocorrem mutações nos genes NLRP3”, revelou, em comunicado de imprensa, um dos autores do estudo, Vishwa Deep Dixit.
 

O beta-hidroxibutirato é um metabolito produzido pelo organismo em resposta ao jejum, exercício de elevada intensidade, restrição calórica ou consumo da dieta cetogénica baixa em hidratos de carbono. De acordo com o investigador, já há muito que se sabe que o jejum e a restrição calórica reduzem a inflamação no organismo, mas ainda não está claro como as células imunitárias se adaptam a uma menor disponibilidade de glucose e se estas são capazes de responder a metabolitos produzidos a partir da oxidação das gorduras.
 

No estudo, os investigadores focaram-se na forma como os macrófagos (um tipo de células imunes), respondiam à exposição de corpos cetónicos e como o complexo inflamasoma era afetado.
 

Os investigadores introduziram o beta-hidroxibutirato num modelo de ratinho com  doenças inflamatórias causado pelo NLRP3. Verificou-se que houve uma redução da inflamação e que esta também foi reduzida quando os animais foram alimentadas com uma dieta cetogénica, que aumentou os níveis de beta-hidroxibutirato na corrente sanguínea.
 

“Os nossos resultados sugerem que os metabolitos endógenos, como o beta-hidroxibutirato, que são produzidos durante a adoção de uma dieta com baixo teor de hidratos de carbono, jejum ou prática de exercício de elevada intensidade, podem diminuir o inflamasoma NLP3”, concluíram os investigadores.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.