Descoberto gene do pânico

Mutação genética é responsável por certos problemas de ansiedade

22 agosto 2001
  |  Partilhar:

Uma mutação genética é a culpada pela maior parte dos ataques de pânico e outros distúrbios de ansiedade que afectam um elevado número de pessoas em todo o mundo.
 

 

A notícia vem publicada na reputada revista científica New Scientist e foi elaborada por uma equipa do Centro de Biologia Médica e Molecular em Barcelona.
 

 

Os cientistas estudaram famílias com historial de problemas ansiosos, tais como ataques de pânico, agorafobia e fobia social. Descobriram, então, que 90 por cento dos membros das famílias afectadas transportavam em si uma anormalidade genética, denominada DUP25.
 

 

A região onde a mutação ocorre contém mais de 60 genes, mas só 23 foram identificados pelos cientistas. No entanto, a equipa sabe agora que alguns dos genes têm um papel crucial no controlo da comunicação intercelular do sistema nervoso.
 

 

A produção de certas proteínas poderá ser a razão pela qual o cérebro se torna extremamente sensível a situações de stress.
 

 

Apesar das descobertas, os cientistas avisam que nem todas as pessoas com a mutação genética sofrem de problemas de ansiedade.
 

 

Em declarações à New Scientist, Monica Gratacos, investigadora da equipa, explicou a existência de outros factores que concorrem para o stress e ansiedade. "O meio ambiente é muito importante. Nas famílias afectadas, por exemplo, 20% das pessoas com DUP25 não apresentavam quaisquer sinais de doença ”.
 

 

Esta descoberta poderá levar ao desenvolvimento de medicamentos capazes de ajudar pessoas a combater os seus medos.
 

 

A equipa tenta identificar, com precisão, quais dos genes do DUP25 que estejam ligados, de algum modo, aos ataques de ansiedade. Caso consigam chegar à conclusão, dentro dos próximos dez anos serão encontradas novas formas de tratamento capazes de suprimir os genes responsáveis, bem como as proteínas produzidas.
 

 

Neste estudo, os cientistas também descobriram que a mutação DUP25 pode mudar de geração para geração e até de indivíduos para indivíduos.
 

 

Raymond Crow, psiquiatra da Universidade de Iowa e especialista em distúrbios de pânico, afirmou à New Scientist que esta descoberta é "muito importante", dado que, “ao que parece, descobriram um novo e completo mecanismo da doença. Estima-se que cerca de uma em cada 10 pessoas sofra de problemas relacionados com ansiedade.
 

 

Paula Pedro Martins
 

 

MNI - Médicos Na Internet
 

Fonte: New Scientist
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.