Descoberta potencial origem e tratamento da asma

Estudo publicado na “Science Translational Medicine”

28 abril 2015
  |  Partilhar:
Uma equipa de investigadores descobriu a possível origem da asma e um fármaco já existente como potencial tratamento para aquele problema.
 
Num estudo conduzido pela Universidade de Cardiff em colaboração com o King’s College de Londres, no Reino Unido, e Mayo Clinic, nos EUA, os investigadores descreveram o papel, anteriormente não comprovado, do recetor sensível do cálcio recetor sensor de cálcio (CaSR) na causa da asma, uma doença que afeta 300 milhões de pessoas em todo o mundo.
 
O estudo evidencia ainda a eficácia de uma classe de fármacos conhecidos como calcilíticos na manipulação do CaSR para reverter todos os sintomas associados à asma. Estes sintomas incluem o estreitamento das vias aéreas, hiper-reactividade das vias aéreas e inflamação, os quais contribuem para aumentar as dificuldades respiratórias. 
 
Os calcilíticos foram inicialmente desenvolvidos há cerca de 15 anos para tratar a osteoporose com a finalidade de fortalecer os ossos.
 
Para chegar aos resultados, a equipa utilizou modelos de rato de para a asma e tecido de vias aéreas de pessoas asmáticas e não-asmáticas.
 
Daniela Riccardi, da Faculdade de Biociências da Universidade de Cardiff e investigadora principal do estudo comenta: “os nossos achados são extremamente impressionantes”. A investigadora acrescenta que “pela primeira vez encontrámos uma ligação à inflamação nas vias aéreas, a qual pode ser causada por fatores de desencadeamento ambientais, como alérgenos, fumo de tabaco e escapes dos carros, e hiper-reactividade na asma alérgica”. 
 
“O nosso estudo demonstra que esses fatores de desencadeamento libertam químicos que ativam o CaSR nos tecidos das vias aéreas e causam os sintomas de asma como a hiper-reactividade, inflamação e estreitamento das vias aéreas. Com o uso dos calcilíticos, nebulizados diretamente nos pulmões, demonstramos que é possível desativar o CaSR e evitar todos esses sintomas”.
 
Perante estes achados, Samantha Walker, Diretora de Investigação e Legislação na Asthma UK, comenta que “se esta investigação for bem-sucedida poderemos estar a apenas uns anos de termos um novo tratamento para a asma (…). A investigação sobre a asma sofre de falta crónica de incentivos; foram desenvolvidos apenas alguns tratamentos nos últimos 50 anos, sendo que a importância de se investir em investigação deste género é essencial”. 
 
Segundo Paul Kemp, coautor deste estudo, a identificação do CaSR no tecido das vias aéreas significa um enorme potencial de tratamento de outras doenças inflamatórias dos pulmões. Isto inclui a doença pulmonar obstrutiva crónica e a bronquite crónica para as quais não existe atualmente uma cura. 
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.