Descoberta desafia teoria da origem africana do homem
31 outubro 2001
  |  Partilhar:

A descoberta no norte da China de restos humanos com mais de dois milhões de anos desafia a teoria vulgarmente aceite de que o homem é originário de África, segundo os arqueólogos responsáveis pelos trabalhos.
 

 

O grupo de arqueólogos, que desde Setembro realiza escavações na bacia do rio Nihewan, na província de Hebei (norte da China), descobriu cerca de 800 ferramentas pertencentes ao Paleolítico.
 

 

Através de estudos geomagnéticos das camadas do solo onde foram descobertos os utensílios, os cientistas concluíram que os objectos foram fabricados há dois milhões de anos, época em que também se localizam os primeiros restos encontrados em África, indicaram os peritos.
 

 

A descoberta dá força a argumentos que sustentam que os primeiros seres humanos viveram na China e não em África, como acredita a maioria da comunidade científica, já que se tratam dos restos mais antigos encontrados no país e também no mundo.
 

 

Até agora, os restos mais antigos encontrados na China, descobertos em 1965 na província meridional de Yunnan, datam de há 1,7 milhões de anos, sendo mais recentes que os africanos, mas os descobertos agora são quase contemporâneos destes últimos, segundo a agência noticiosa oficial chinesa, Xinhua.
 

 

Os defensores da teoria da origem africana do homem não se baseiam apenas em achados arqueológicos, mas também em dados genéticos.
 

 

Lusa
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.