Descoberta causa bacteriana responsável por complicações cardíacas fatais

Estudo publicado no “PLOS Pathogens”

21 maio 2015
  |  Partilhar:
O Streptococcus pneumoniae é uma bactéria que afeta o sistema respiratório e está associada a risco aumentado de complicações cardíacas fatais, embora não infete o coração. Esta relação tem intrigado clínicos e investigadores, uma vez que mesmo a utilização atempada de medicação não parece conceder proteção especial contra problemas cardíacos.
 
Uma equipa multidisciplinar orientada pelos Professores Aras Kadioglu e Cheng-Hock Toh, da Universidade de Liverpool, no Reino Unido, demonstrou que a causa das lesões cardíacas é uma toxina denominada pneumolisina, que é libertada pela bactéria durante a infeção. De acordo com a investigação, esta toxina ataca diretamente as células do músculo cardíaco, provocando não só lesões como a morte.
 
“Descobrimos que a toxina pneumolisina, que é libertada durante a infeção com Streptococcus pneumoniae, é o principal motivo pelo qual um número considerável de doentes desenvolve complicações cardíacas fatais rápidas e progressivas, mesmo que a bactéria não infete diretamente o coração”, revelou Yasir Alhamdi, autor principal do estudo.
 
Os cientistas descobriram ainda que a utilização de antibióticos podia aumentar os danos provocados nas células do músculo cardíaco durante a infeção com Streptococcus pneumoniae, uma vez que a morte bacteriana produzida pela ação do antibiótico conduz à libertação de grandes quantidades de pneumolisina para a corrente sanguínea.
 
De forma a contornar este problema, a equipa de investigadores utilizou lipossomas modificados, de forma a estes se ligarem e neutralizarem a ação da pneumolisina, evitando os danos nas células do músculo cardíaco.
 
Os investigadores da Universidade de Liverpool haviam já demonstrado anteriormente que o tratamento com lipossomas poderia ser usado como terapêutica para a pneumonia e sépsis provocada pela Streptococcus pneumoniae e Staphylococcus aureus resistente à meticilina (SARM).
 
“Demonstrámos agora que os lipossomas também podem ser usados de forma terapêutica para combater complicações cardíacas fatais associadas a infeções causadas pela Streptococcus pneumoniae”, afirmou Daniel Neill, outro dos autores do estudo.
 
“Este achado demonstra que os lipossomas podem ser úteis em conjunto com antibióticos para mitigar os efeitos patológicos da lise bacteriana induzida pela ação do antibiótico”, rematou.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.